quarta-feira, 30 de abril de 2008

terça-feira, 29 de abril de 2008


CANSEI...
Da “turma” dos CSS Cansei de Ser Sexy tem surgido ultimamente algumas novidades. A baixista Iracema Trevisan abandonou a banda para se dedicar à moda e foi substituida pelo baterista nos concertos ao vivo. Do novo disco “Donkey” que sairá em Julho, surgiu ontem no site renovado (de nome ccshurts) um tema descarregável chamado “Rat is dead (rage)”. Soa muito a Pixies... O grupo estará em Portugal a 10 de Julho no Optimus Alive juntamente com, entre outros, os National, Spiritualized, Rage Against the Machine, Gogol Bordello, Hives e, soube-se hoje, Vampire Weekend! É uma farturinha.

segunda-feira, 28 de abril de 2008


LUNARIDADES #54

. é surpreendente e até estranha a utilização de um tema obscuro de Dylan na campanha da Galp. De “Paths of Victory” nunca ouvimos falar e foi preciso o spot para a conhecermos. A publicidade também serve para isso... e resulta!

. na entrevista de Rui Reininho à Radio Nova publicada ontem no Público existe como sempre sarcasmo, exagero e non-sense, mas a tirada “a estupidez dos tripeiros foi virarem-se contra Lisboa, em vez de se virarem para Barcelona” não deixa de fazer sentido... Imperdível!

. capas de discos é o que está dar! Depois de “Abril Vinil” e da anunciada exposição em Serralves (10 de Maio), eis uma outra mostra sobre capas de discos. Que bom!

. sobre os Black Lips no Porto muito se falou e exagerou. Mas em Coachella a banda decidiu pegar fogo aos instrumentos, parti-los aos bocados e distribui-los pela assistência! Deve ter sido fácil, já que alguns deles já iam quebrados de Portugal ;-)

. vindos sabe-se lá de onde, os Asia tem concerto marcado para Portugal! Quem? Pois, extintos e bem extintos eis que estes verdadeiros fósseis da música, de quem chegamos a compar discos (sim, sim, sem explicação..), ressuscitam. Gostavamos de ser mosca para lá estar!

A ARTE DE PATTI SMITH
Passou no Indielisboa no Sábado à noite, em estreia portuguesa, o documentário Patti Smith: Dream Of Life de Steven Sebring. O filme terá repetição no referido festival na próxima sexta-feira, esperando-se que acabe por fazer parte da selecção a incluir na extensão prevista para o Porto. Pois bem, para quem sintoniza o canal Arte, informa-se que este mesmo documentário tem transmissão garantida amanhã pelas 3 da manhã, depois de já ter sido emitido no mesmo canal no passado sábado! O destaque acompanha a exposição Land 250 patente na Fundação Cartier de Paris sobre as múltiplas facetas da artista. Arte=serviço público, o verdadeiro!


FAROL #53
Agora que, passados 16 anos, os Replacements se tornaram a reunir para gravar novo material (dois temas para uma nova colectânea) sabe bem ouvir Paul Westerberg e companhia em plena forma num concerto em Mineapolis, cidade natal da banda, em 1985. Um bootleg clássico...

sexta-feira, 25 de abril de 2008

DUETOS IMPROVÁVEIS #45
PRETENDERS & SHIRLEY MANSON

I’ m only happy when it rains (Garbage)
VH1 Decade Rock Live, Agosto de 2006

INDIEPORTO!
Começou ontem a 5ª edição do IndieLisboa, festival de cinema independente, por muitos considerado o maior evento do género no país. Entre a intensa e diversa programação destacamos, como sempre, a secção Indemusic que este ano engloba películas muito recentes e interessantes como Patti Smith: Dream Of Life, de Steven Sebring, Lou Reed’s Berlin, de Julian Schnabel, Joy Division, de Grant Gee, Scott Walker: 30 Century Man, de Stephen Kijak, Joe Strummer – The Future is Unwritten, de Julian Temple ou Bananaz (sobre os Gorillaz), de Ceri Levy. Por inicativa do PlanoB o festival lisboeta terá uma extensão no Porto que decorrerá no esquecido e antigo Cinema Trindade entre 8 e 15 de Maio próximos. Aí serão exibidos os filmes premiados e uma selecção representativa da diversidade do festival que esperamos contemple alguns (ou todos...) os filmes da secção dedicada à música. Excelente proposta!

SINGLES #12
ARTUR (DOS) SANTOS
Ser Fachista
Fénix/Arnaldo Trindade & Ca. Lda. FAT-310EP, 1975
Como já foi referido por aqui, nas últimas semanas estivemos envolvidos profissionalmente na organização de uma mostra evocativa do 25 de Abril que apresenta discos de vinil alusivos ao período pré e pós-revolucionário. A exposição chama-se “Abril Vinil” e está patente no átrio da reitoria da Universidade do Porto (aos Leões) até ao próximo dia 3 de Maio e não até ao fim daquele mês como foi erradamente divulgado. Da investigação e recolha realizada resultaram inúmeros dados que foram importantes na definição de uma selecção dos discos disponiveis para apresentação. Um dos núcleos da mostra apresenta vinis de revistas teatrais de politica brejeira e fados humorísticos do conturbado período, sendo um dos discos preteridos (infelizmente) este single do desconhecido fadista Artur Santos ou Artur dos Santos. Pela fabulosa capa, ser fascista estava conotado com repastos de marisco e vinhos de reserva só ao alcance dos então chamados “fachistas”. O erro ortográfico parece propositado ou jocoso, pois essa era na altura a expressão usual. O que é certo é que existe um outro single, com outra capa e com a grafia devidamente corrigida, mas agora sob o nome de Artur Gonçalves. É a ele a quem é devidamente creditada a autoria do tema impressa no vinil! O exemplar que aqui apresentamos deverá ser então uma versão. Sobre ele nada há a apontar de especial, o que já não poderá ser dito sobre os outros dois temas do EP: “Namorei uma Sopeira” e “A Mulher do Meu Patrão” são liricamente mais picantes mas sem sem a ordinarice do calibre de um Quim Barreiros! Mesmo assim, é de ir às lágrimas... Sobre o Artur Santos ou Artur dos Santos nada mais sabemos. Ao contrário, sobre Artur Gonçalves vejam só que já existe um blog, muitos fãs entre os quais está Nuno Markl e até uma entrevista ao “Jornal de Notícias” em 2006. Deliciam-se com temas como “As Cassetes”, “Tira Mete e Tira”, “Vira das Bananas”, “Dar Caça Aos Pides” ou “Bacalhau Tenreiro” (numa alusão ao monopólio do comércio do bacalhau exercido por Henrique Tenreiro durante o Estado Novo), e que na referida exposição é representado por um exemplar de um outro fadista de nome Jaiminho... Também é muito bom! Na tradição desta época, dão-se alvíssaras a quem souber mais sobre este single, sendo que o exemplar que aqui apresentamos está ainda devidamente autografado e valorizado para eternidade!

quinta-feira, 24 de abril de 2008


BILL CALLAHAM EM BRAGA
A notícia está no bem informado blog Juramento sem Bandeira: Bill Callahan tem concerto marcado para o Theatro Circo no próximo dia 2 de Junho. Na véspera passará pelo Santiago Alquimista em Lisboa. O mentor do Smog traz consigo o companheiro de editora (Drag City) Alisdair Roberts, numa digressão intitulada “Across the Puddle Shows”. Não faltarão, de certeza, algumas pérolas dos Smog, mas o fio condutor será provavelmente o excelente e esquecido álbum a solo lançado o ano passado “Whake on a Whale Heart”. E a menina e companheira Joanna Newson, será que também vêm?

quarta-feira, 23 de abril de 2008


STARLETT!
É a 20 de Maio que o disco de versões de Tom Waits na voz de Scarlett Joahansson vê a luz do dia na Rhino Records. A respectiva capa, salvo qualquer alteração, é esta óbvia fotografia que se associa ao nome do álbum “Anywhere I Lay My Head”... Convenhamos que não é assim uma grande ideia, mas vamos esperar que a música seja mais entusiasmante. Pelo que escutamos, a esperança não é muita!

terça-feira, 22 de abril de 2008


BLACK LIPS
Porto Rio, Porto, 21 de Abril 2008

Adivinhem lá como é que acabou o concerto de ontem dos Black Lips? De maneira politicamente correcta, dir-se-ia que alguns incidentes marcaram o final da explosiva actuação. Mas de forma mais apropriada ao acto, a expressão só poderá ser “à porrada”! Não uma luta generalizada, mas mais alguns arrufos localizados que envolveram o vocalista e alguém do público a que se juntou alguma tensão justificada do baterista. Tudo tem uma explicação: a distância entre público e banda é, no espaço do barco onde decorreu o concerto, inexistente o que incita à iteractividade, provocação e convívio, ou seja, rock & roll! É ao vivo que banda acenta a sua fama e proveito e o espectáculo do Porto confirmou toda estas permissas. Explosivos, potentes e frontais os músicos fazem rodar entre o público garrafas de vinho tinto, partilham charros e cerveja, permitem e adoram invasões de palco e roubo dos microfones, num misto de anarquia controlada e descarga eléctrica. Desde o primeiro tema, parece que recuamos aos saudosos tempos das garagens húmidas e dos suores inevitáveis, que o ritmo da música impõe e condiciona. Resultado: crowd surf (baixinho, para não bater no tecto), empurrões e, no bom sentido, agitação “selvagem”. Só no ano passado a banda lançou três discos, um deles com gravações ao vivo chamado adequadamente “Los Valientes Del Mundo Nuevo”, epíteto comprovado por todos os presentes no barco Gandulfe. Já no último tema, com a sala ao rubro e com o microfone (demasiado tempo) na mão de um fã mais afoito e “em transe”, o concerto terminou! O tal fã lançou-se literalmente para cima da bateria que obviamente cedeu (partiu!) e o vocalista desatou a correr (inexplicavelmente?) atrás de outro alguém com murros à mistura! Como não parou de gritar um deles, “É a festaaaaaaaaaaaaa”! Pena, porque a comemoração poderia ter continuado mais algum tempo. Mesmo assim, memorável!
Na primeira parte tocaram os portuenses Sizo, que apresentaram os temas do seu álbum de estreia “Nice to meet you”. Garra e competência de uma banda surpreendente e poderosa. Nice to meet you to!

LUNARIDADES #53

. faltam três meses mas os bilhetes já esgotaram! A festa dos Kings of Convenience na CDM promete ser de arromba. Será que vai haver, como há dois anos na Aula Magna, invasão pacífica do palco?

. o Serralves em Festa 2008 já mexe e de que maneira! A 7 e 8 de Junho por lá surgirão os Wire, os Dirty Projects, os Konono nº 1 ou os Haswell & Hecker, para além de centenas de outros eventos. É só o maior acontecimento cultural da cidade...

. poderia ser vedeta mais detestável do mundo, mas Federer ali bem perto de nós, entre miudos e graúdos, é só simpatia, bondade e até alguma timidez. Mais um grande momento para mais tarde recordar!

. envolvidos num projecto de exposição de vinil alusivo ao 25 de Abril, apercebemo-nos da “loucura” musical instalada com a chegada da liberdade em 1974. Todos queriam gravar discos, expor a sua alegria e rebater amarguras do passado, que a esta distância nos parecem obviamente exagerados. A máxima de Gedeão continua, no entanto, a ser válida – “Eles não sabem que o sonho é uma constante da vida / tão concreta e definida como outra coisa qualquer”;


. por falar em sonho, um avião, uma mala pequena e uma praia deserta vinha mesmo a calhar, ah e o Ipod, claro! Ufa...

segunda-feira, 21 de abril de 2008


MESTIÇAGENS!
A edição 2008 do Festival Mestiço organizado pela Casa da Música apresenta um cartaz recheado! Entre os dias 26 e 29 de Junho passarão pela praça exterior do edifício, Sala Suggia e outros espaços, nomes como Senor Coconut, Marcelo D2, Boban Markovic, Sam the Kid ou Toots & Maytals. Destacam-se ainda a vinda dos Dynamics, banda reggae soul que faz versões maravilhosas de White Stripes, Madonna ou Rolling Stones e Amadou & Mariam (foto), dupla do Mali e uma verdadeira banda de culto da chamada world music. Um salutar melting-pot...

sexta-feira, 18 de abril de 2008

DUETOS IMPROVÁVEIS #44
PETULA CLARK & PEGGY LEE

I’m a Woman/ Wedding bell blues
ABC Television, EUA, 12 de Setembro de 1970



FAROL #52
São um dos regressos de 2008, já com concerto marcado para Portugal. Os B52’s gravaram um novo disco chamado “Funplex” e estiveram no início do mês na incontornável KCRW. Entre clássicos e novos temas, aqui ficam duas vias para tirar dúvidas: a + b

NOVO DISCO, FINALMENTE!
O novo disco “Narrow Star” dos Death Cab For Cutie estará nas lojas já em Maio. Ben Gibbard e companhia parecem em plena forma, três anos depois do álbum “Plans”, continuando a produção a caber a Chris Walla. O primeiro single já roda nas rádios (Antena 3 p.ex.) e o video também já circula, por sinal bem cumprido. Quase oito minutos! No verão estarão pela Europa... quem sabe!
Death Cab For Cutie "I Will Possess Your Heart"

quinta-feira, 17 de abril de 2008


DE BOM TOM!
Mais um festival, desta vez, aqui bem chegadinho. O Auditório de Espinho recebe nos próximos dias 30 e 31 de Maio a primeira edição do Festival Tonalidades, inteiramente dedicado, segundo a organização, “a gente que trata a canção por tu”: JP Simões e Partisan Seed (Filipe Miranda) na Sexta e Nuno Prata e Old Jerusalem no Sábado. Bilhetes baratinhos a 7,5€ para os dois dias ou 5€ para uma só noite. Simples, atractivo e certamente, reconfortante.

3 X 20 ABRIL

20 canções:
. GOLDFRAPP – Hapiness
. FRYARS – The Ides
. GUILEMOTS – Kriss Kross
. SONDRE LERCHE – To be surprised
. R.E.M. – Accelerate
. BRITISH SEA POWER – Waving flags
. BENJAMIN DIAMOND – Lights in the sky
. SHOCKING PINKS – How Am I Not Myself
. RACONTEURS – Salute your solution
. PEACHES – Boys wanna be her
. NICK CAVE AND THE BAD SEEDS – Midnight Man
. WHY? – The Hollows
. FOALS – Olympic Airways
. PORTISHEAD – The rip
. ATLAS SOUND – Ativan
. FLEET FOXES – Mykonos
. SILVER JEWS – Strange Victory, strange defeat
. WHEN – Bye puppy Bye
. THE RADIO DEPT. – It’s personal
. BON IVER – re: stacks

20 versões:
. NINA PERSON &NATHAN LARSON - Losing My Religion (R.E.M.)
. DIRTY PROJECTS - Hyperballad (Bjork)
. PRINCE – A case of you (Joni Mitchel)
. CAT POWER – Brethless (Nick Cave)
. COLIN MELOY – Every day is like Sunday (Morrissey)
. JOSH ROUSE – For the turnstiles (Neil Young)
. THE KILLERS – Shadowplay (Joy Divison)
. DAVID BOWIE –Port of Amsterdam (Jaques Brel)
. DIVINE COMEDY – Love is lighter than air (Stephen Merrit)
. M. WARD – Bean vine blues (John Fay)
. JOHNNY CASH – Bridge over trouble water (Simon & Garfunkel)
. MATTHEW SWEET & SUSANNA HOFFS - Alone again or (love)
. FLAMING LIPS – Knives out (Radiohead)
. ERLAND OYE – No train to Stockholm (Lee Hazlewood)
. BAREFOOT – Born Slippy (Underworld)
. FAITH NO MORE – Glory box (Portishead)
. MAGNETIC FIELDS – I died for you (Gary Numan)
. RYAN ADAMS – Last night (Strokes)
. U2 – I’ve got you under my skin (Frank Sinatra)
. NICK CAVE – Tower of song (Leonard Cohen)

20 remixes
. M83 - We Own The Sky (Maps Remix)
. SEBASTIAN TELLIER - Divine (Midnight Juggernauts Remix)
. FELIX DA HOUSECAT - Radio (Data Remix)
. MADONNA feat. JTIMBERLAKE - 4 minutes (Junkie XL Tidus re-edit)
. ROISIN MURPHY - You Know Me Better (Guy Williams Vocal)
. HERCULES & LOVE AFFAIR - You Belong (Riton Remix)
. THE RUSSIAN FUTURISTS - Paul Simon (Remix)
. GOLDFRAPP - Happiness (Beyond the Wizards Sleeve Re-Animation)
. SALLY SHAPIRO - Time to Let Go (Lindstrom Remix)
. HOTCHIP - One Pure Thought (Supermayer Remix)
. GOTYE - Heart's A Mess (Ocelot Remix)
. RADIOHEAD - Weird Fishes (Amplive Remix)
. FOALS - Electric Bloom (Bark Cat Bark Remix)
. THE WHIP - Trash (South Central remix)
. THE KILLS - URA Fever (Jazzsteppa Remix)
. CSS - Music Is My Hot, Hot Sex (Kill The Noise Remix)
. B52’S - Funplex (Peaches Pleasure Seeker Remix)
. TALKING HEADS - Blind (Extended Remix)
. THE CRIBBS - I'm A Realist (Postal Service Remix)
. VAMPIRE WEEKEND - Cape Cod Kwassa… (Black Dominoes Remix)

quarta-feira, 16 de abril de 2008


REVIVALISMOS!
A Festa da Cultura promovida pelo município de Gaia concentra ao longo do mês de Abril um conjunto de iniciativas multifacetadas e diversas que vão da dança às artes plásticas, do teatro à música. Neste último âmbito, destaca-se na próxima sexta-feira, dia 18, o concerto de José Cid no Cais de Gaia com entrada a custar 5€, a que se acrescenta a festa “Luso-Disco” com o Rodrigo Affreixo atrás dos pratos. Durante o fim de-semana e a partir das 10h00, decorrerá, no mesmo local, a Festa do Vinil com venda e troca de rodelas, repetindo o evento do ano passado. Atendendo ao verdadeiro surto vinílico (veja-se só o artigo de Marcos Cruz nas centrais do DN do passado Domingo referente ao regresso do vinil no Porto), já perdemos a esperança dos preços terem baixado. Seja como for, lá estaremos... O programa detalhado pode ser consultado por aqui.

terça-feira, 15 de abril de 2008


(RE)VISTO # 17
U2 3D
Dir. Catherine Owns e Mark Pellington
3ality Digital Enterteinment, 2007, em alguns cinemas
A Vertigo Tour de 2006, que passou por Alvalade foi, para alguns, algo desapontante. A sorte na altura destinou-nos uma lateral em altitude do estádio, bem longe dos acontecimentos mas, principalmente, impedidos de perceber todo a cenografia e lógica do espectáculo. Agora, com a possibilidade de diminuir virtualmente um pouca a desilusão, não resistimos e pusemos os óculos! Assim, em pouco mais de 80 minutos somos literalmente transportados para dentro de um estádio de Buenos Aires, São Paulo ou Cidade do México, onde, sem subterfúgios ou enredos, as músicas se sucedem umas às outras, potentes, mas sem deslumbramentos. A tecnologia 3D permite quase agarrar o microfone de Bono, descobrir a técnica simples e relaxada de Mullen na bateria, reparar nos enormes recursos/pedais que servem The Edge ou na atitude cool de Clayton com o seu baixo. Nalguns momentos, sentimo-nos quase uns estranhos em cima do palco tentando não interromper a cumplicidade única (sincera?) dos músicos. Longe, no entanto, vão os tempos (20 anos!) do lançamento do filme “Rattle & Hum”, cuja antestreia no Coliseu do Porto esgotado mais parecia uma concerto a sério, com palmas, bocas e cantoria generalizada. É que na altura os U2 ainda não tinham tocado a sério em Portugal (a passagem por Vilar de Mouros em ínicio de carreira no ano de 1982 apesar de mítica não foi, mesmo assim, baratinha... 4250 libras). Agora, e apesar da novidade, meia dúzia de pessoas ocupavam a sala, sem reacções efusivas, entretidas a recordar velhos êxitos e, certamente, outros tempos mais intensos. Os U2 tem fãs que atravessam já múltiplas gerações e não foi surpresa verificar a quantidade de jovens presentes nas primeiras filas dos concertos que este documento testemunha, o que quer dizer que o culto está bem firme e para ficar. Sempre na vanguarda comercial e lucrativa da indústria, os U2 esgotam rapidamente todas os recursos que a tecnologia visual desenvolve e este filme é uma prova da atenção (bruxo!) que a máquina irlandesa aplica na rentabilidade. Apesar de tudo isto, gostamos bastante da experiência!

THE NATIONAL ACAMPAM EM PORTUGAL!
A banda norte-americana não têm um, nem dois, mas sim três concertos marcados para Portugal no espaço de três meses! Assim, ao espectáculo já esgotado da Aula Magna no próximo dia 11 de Maio, segue-se a participação no Optimus Alive a 10 de Julho e, sabe-se agora, mais um concerto em Guimarães no dia 18 do mesmo mês! Segundo o jornal Público, a vinda à cidade berço integra-se no Festival Manta que se realiza no CCVila Flor a preços convidativos (10€ um dia, 25€ três dias). Atendendo ao magnífico cenário ao ar livre que o CCVila Flor disponibiliza, só podemos esperar uma noite mágica! No site oficial o concerto de Guimarães ainda não está todavia agendado. Não há fome...
Entretanto, o filme ”A Skin, A Night” de Vincent Moon sobre os The National será editado em Maio em DVD, acompanhado por um CD bónus. A prenda chama-se “The Virgina EP” apresenta uma colecção de lados B, maquetes, sessões ao vivo e actuações na rádio. Aqui fica o trailer:

segunda-feira, 14 de abril de 2008


LUNARIDADES #52
. ao fim de um ano surgem os primeiros atritos relativos à programação do Theatro Circo em Braga. Fala-se já da saída do programador responsável pelo magnífico ano musical de 2007 e entretanto surgem as respectivas polémicas... Politiquices que fazem mazelas;

. a esta hora deve estar a começar a passagem do primeiro episódio de "Californication" na RTP2. Promete-se uma comédia forte com um "Fox Mulder" versão hard, em trinta minutos de devaneios. Parabéns à RTP!

. da noite Clubbing na CDM resulta uma conclusão - o local não é uma discoteca e, como tal, mais tarde ou mais cedo a saturação será uma evidência. Já está no limite vermelho...

. até gostavamos de ver o Brian Ferry a cantar músicas do Bob Dylan no Casino de Espinho no próximo dia 17 de Maio. O problema são "só" os 150€...

. um festival como o Intercéltico, que era uma referência na cidade e no país, está agora reduzido ao Cinema Batalha e pouco mais... Vão longe as noites memoráveis do Coliseu ou do Rivoli e os milhares de aficionados. Porquê
?

THE KILLS + THE WHIP
Clubbing, Casa da Música, 12 de Abril de 2008

Depois de uma atribulada actuação em Paredes de Coura em 2004 e de uma passagem pelo Sudoeste no ano seguinte, na Casa da Música esgotada tiraram-se todas as dúvidas. Os Kills são um projecto confirmado e, numa palavra, contagiante! Começaram com “URA Fever”, primeiro single do novo álbum e, desde logo, o público ficou "agarrado”. Da dupla Alison “VV” e Jamie “Hotel” emana aquele “perfume” rock & roll tão na moda mas, acima de tudo, transparece sexualidade e excitação. Em permanente desafio ou de rostos colados no mesmo microfone, ao rodopio constante de Alison responde Jamie com riffs de guitarra agressivos e provocadores. A máquina de beats dá o lamiré e o que se segue são pedaços de rock cru, directo, a que os corpos presentes não ficam indiferentes. O já clássico “The Good Ones», no encore, é o exemplo perfeito. Para trás tinham ficado outros “reagentes” como “Fried My Little Brains” ou os recentes “Cheap and Cheerful” (maravilhoso...) e “Goodnight Bad Morning”. Uma verdadeira e magnífica aula de (música) fisíco-química!
Na primeira parte da noite tocaram os The Whip, projecto inglês ainda em fase de (re)lançamento e afirmação. Apresentaram o seu álbum de estreia X Marks Destination, um misto de rock e electrónica de teor dançavel mas algo deja vu. O indisfarçavel pré-cozinhado de todo o conjunto, com uma bateria e um baixista dispensáveis na maioria dos temas, vive de sintetizadores e sons gravados, debitados bem alto, em cima dos quais se adiciona a voz do vocalista. Alguns dos temas tem pernas para andar, mas são esticados até à exaustão, tipo remix, a necessitar certamente de acertos e mais rodagem. O hit “Trash” com que fecharam a actuação foi já reconhecido por muitos dos presentes e transformou a Sala 2 num verdadeiro Clubbing... Vamos esperar para ver!
(Fotos de recurso... com telemóvel!)

sexta-feira, 11 de abril de 2008

DUETOS IMPROVÁVEIS # 43
WILLIE NELSON & PAUL SIMON

Homeward Bound (Simon)
Ao vivo no The Beacon Theatre, New York, 9 de Abril 2003
Willie Nelson and Friends - Live & Kickin DVD (2003)


SEBASTIAN TELLIER NO “AFINIDADES”
A notícia está no Ípsilon de hoje mas inclui, aparentemente, duas incorrecções. Assim, Sebastian Tellier tem efectivamente concerto marcado para a Casa das Artes de Famalicão, não no dia 11 de Junho como é referido, mas sim (segundo o myspace oficial) dia 14 do mesmo mês, sábado. O espectáculo é uma escolha de Vitor Valenciano, jornalista e crítico do Público, para o festival “Afinidades” que começou em Março com John Vanderslice. É ainda referido que esta será a estreia de Tellier em Portugal, mas o que é certo é que ele tocou na primeira parte dos Air nos Coliseus, se não nos falha a memória, no ano de 2001. Será que Famalicão vai receber o vencedor do Festival da Eurovisão?

WILCO PARA FÃS E NÃO SÓ!
O excitante Clubbing de amanhã da Casa da Música (Kills + Whip) tem ainda uma mais valia - o filme I Am Trying to Break Your Heart dos Wilco passará na Sala Roxa do edifício numa apresentação de Álvaro Costa. A sinopse é a seguinte:
Corria o ano 2000. Os Wilco entravam em estúdio para a gravação do muito aguardado quarto álbum. O que se seguiu foi uma história trágico-cómica e um sinal, adiantado, dos tempos de re-invenção do negócio da música. I Am Trying to Break Your Heart, um filme sobre os Wilco de Sam Jones, é muito mais do que um simples documentário sobre uma banda de culto.
O filme de 2002 a preto e branco, persegue e conta a criação do disco Yankee Hotel Foxtrot, magnífico monumento pop-rock, explorando a tensão criativa permanente entre Jeff Tweddy e Jenny Bennet e as ironias que o mundo da música encerra. A não perder!

terça-feira, 8 de abril de 2008


LUNARIDADES #51

. uma azelhice nossa virou o blog de pernas para o ar, fazendo desaparecer links, contagens, cabeçalhos e afins. Aos poucos vamos tentar repôr “a normalidade”. Não vai ser fácil...;

. já nada é sagrado! A publicidade pega no “Chamem a Policia” dos TComércio, no “Anzol” dos Radio Macau ou então no Chico Fininho (Preços Fininhos!) e zás, é o massacre e a total falta de respeito. Money makes the world...

. apontamos o ano passado alguns defeitos à (inexistente) programação pop/rock da Casa da Música. Pois bem, o leme parece ter definitivamente mudado e este ínício de 2008 espelha uma nova atitude e arrojo. O clubbing de Maio é um dos exemplos. Parabéns!

. começa a ganhar forma uma edição de Paredes de Coura 2008 consistente. À mais valia Mars Volta recentemente adicionada espera-se ainda a soma de outras grandes bandas... Duas sugestões, ambas passam por Benicassim: American Music Club (claro) e Sigur Rós!:

segunda-feira, 7 de abril de 2008


VAMPIRE WEEKEND NA CDM
Os norte americanos Vampire Weekend tem concerto marcado para a Casa da Música no dia 30 de Maio. Ora bem, nesse dia tocam também os Young Marble Giants incluídos na programação Clubbing, concerto para o qual já adquirimos bilhete. Será que este ingresso é válido para os dois espectáculos? É que atendendo ao verdadeiro fenómeno de popularidade do disco de estreia dos Vampire Weekend e ao "encoberto" culto de que gozam os Young Marble Giants, os bilhetes vão voar... Mais, nesse mesmo dia tocam ainda dois projectos recentes muito interessantes: os These New Puritans e os Ligtspeed Champion. Um verdadeiro festim, tudo em parceria com o Primavera Sound espanhol!

sexta-feira, 4 de abril de 2008


UM POST SOBRE POST
Depois de “Automatic For The People” dos R.E.M. e de “Ok Computer” dos Radiohead, eis que o site Stereogum decidiu organizar um tributo ao disco “Post” de Bjork. As razões da “estranha” escolha são por lá devidamente explicadas e para o efeito convidaram um grupo de bandas multifacetado, que vai de Atlas Sound a Final Fantasy, de Dirty Projects aos Liars. Doze covers surpreendentes!
DUETOS IMPROVÁVEIS #42
PETER GABRIEL & KATE BUSH
Another Day (Bush)
Kate Bush BBC Christma’s Special TV, 1979

(RE)LIDO #9
45 RPM -
A VISUAL HISTORY
OF THE SEVEN-INCH RECORD
Edited by Spencer Drate
Princeton Architectural Press, New York, 2002
What is it about the 7-inch single that grabs our attention?
Why does the format – long considered a dead medium – evoke sentimental memories nearly twenty years after its desmise?
And what is it that we see in the miniature cover art that has graced the 45 since its infancy in the early 1950s?
Estas três perguntas iniciam o texto de Charles L. Grant que funciona como introdução a este maravilhoso volume visual sobre uma das histórias possíveis das capas de singles. As respostas não são fáceis e o livro, nas suas mais de duzentas reproduções de capas, ainda mais aguça o nosso vício e mania. O que é certo é que coleccionar singles de vinil é certamente uma actividade global e crescente. Organizado cronologicamente de 1950 a 1990, cada década é contextualizada por pequenos estudos de especialistas, designers ou músicos, eles próprios coleccionadores e autores de algumas capas. Um conclusão se pode retirar – a capa de um single, em comparação com o de um álbum, foi (é) vocacionada para a experiência, para o arrojo, para a inovação, presente ao longo dos tempos em exemplos de diversos artistas: Paul Anka, os Beatles, os Clash, Donovan, Dizzy Gillespie, Jerry Lee Lewis, Dean Martin, Curtis Mayfield, Roy Orbison, Elvis Presley, os Ramones, REM, os Rolling Stones, os Sex Pistols, Frank Sinatra ou os Talking Heads. O livro, do mesmo tamanho que um single (19,5 cm X 19,5 cm), é, no fundo, uma perdição e, como se fosse preciso, é um incentivo à continuação do vício... Apetece mesmo ouvir/ver isto:


GOLDFRAPP = FELICIDADE
Para começar bem o lindo dia de hoje, aqui fica o novo clip do single “Happiness” (sai dia 14 de Abril) da incontornável Goldfrapp. Haverá remixes de Metronomy com os Teenagers e de Beyond The Wizard's Sleeve, ou seja, Erol Alkland! O tema retirado do seu incompreendido (pelo menos para parte da crítica...) disco “Seventh Tree” dá mesmo vontade saltar! E salta Alison, e salta, olé!
GOLDFRAPP - Happiness

quarta-feira, 2 de abril de 2008



FAROL # 51
Enquanto aguardamos (sentados!) uma ou mais datas dos Radiohead para terras lusas em 2008, aqui fica a ligação para uma das sessões que banda apresentou ontem na BBC/Radio2 inglesa... e não foi brincadeira de dia das mentiras!

EM ABRIL, CANÇÕES MIL
Sempre que Mark Kozelek edita um disco fazemos figas para que as mudanças não sejam muitas... O novo álbum, publicado ontem, dá pelo nome de “April”, mês associado a muitas alterações e revoluções. Mas ao que consta, os temas novos aproximam-se muito da fase inicial dos Red House Painters e portanto as expectativas só podem ser altas. O disco anterior, ”Tiny Cities”, era um conjunto de versões excelentes dos Modest Mouse mas, sinceramente, Kozalek é um compositor que escreve originais ainda melhores. A melancolia brilhante do primeiro disco “Ghosts of The Great Highway” (2003) dos Sun Kill Moon parece, assim, de volta e conta com ajuda vocal de Will Oldham e Ben Gibbard em alguns temas. A editora continua orgulhosamente a ser a mesma – a Caldo Verde Records - casa onde foi, entretanto, lançado o livro "Nights of Passed Over" com a reprodução das letras de Kozelek e que já havia sido editado exclusivamente em Portugal em 2002 com o nome de “Noites de Atropelo” (Quasi Editores). Só que agora juntou-se um disco bónus de nome Night Lp com 12 raridades e versões...

terça-feira, 1 de abril de 2008


LEVI’S POP
O regresso de Pop Levi aos discos está marcado para Julho. Ao novo disco "Never Never Love” parece acrescentar-se um livro de nome “Novella”, ambos escritos em viagem de tournée ao longo de 2007. O álbum será precedido pelo single com o mesmo nome que já pode ser devidamente escutado no seu myspace e tem também versão video. O músico gravou o disco no estúdio Westlake de Hollywood onde Michael Jackson gravou os álbuns “Thriller” e “Of The Wall” e que pertenceu a Quincy Jones. Vamos ter clássico?

Pop Levi - Never Never Love

UM BOM MAU FEITIO!
A amiga Cris decidiu, em boa hora, dedicar algum do seu talento na realização de t-shirts de edição limitada! A marca Mau Feitio reune bom gosto, sobriedade e dedicação cuidada. Cada camisola é pintada e costurada individualmente, ou seja, verdadeiros pedacinhos de amor e carinho. À venda, obviamente, em lojas seleccionadas! Dance, Cris!