terça-feira, 30 de dezembro de 2014

JONATHAN JEREMIAH E O DESEJO!





















O anunciado terceiro álbum de Jonathan Jeremiah chama-se "Oh Desire" e sai lá para o fim de Março de 2015 numa nova editora que não a Island Records onde o inglês gravou os dois primeiros discos. Prometida está uma nova jornada de treze canções sobre amor, solidão, desespero e, obviamente, desejo já alinhadas em pré-compra no iTunes alemão. Aqui fica um breve mas tentador teaser.   


UAUU #242



UAUU #241


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

THOMAS FEINER, ARCO-ÍRIS SONORO

Em 2012 Thomas Feiner gravou uma versão de "The Rainbow" do álbum "Spirit of Eden" dos saudosos Talk Talk ao lado dos Autumn Chorus e do amigo Fyfe Dangerfield e que foi incluída num disco tributo editado pela Fierce Panda onde colaboraram outros artistas como Alan Wilder dos Recoil ou Joan Wasser aka Joan As Police Woman. Chegou agora a altura da canção ter nova vida com uma renovada edição digital e com magnífica cover art exclusiva


COINCIDÊNCIAS!
















Aproveitando estes dias mais caseiros decidimos remontar o soundsystem analógico na cozinha desactivada lá de casa (os "pratos" querem-se na cozinha...) e, finalmente, pôr a girar umas dezenas de singles comprados (alguns "às escuras") ao longo dos últimos meses. Entre boas surpresas, algumas desilusões e muitas confirmações, quando o lado B de uma rodela do George McCrae começou a soar, hei lá, onde é que já ouvimos isto? Pois é, apesar de prontamente elogiado por aqui, o esplêndido "Want Your Feeling" de Jessie Ware tem, afinal, um antepassado também ele irresistível chamado "I Need Somebody Like You"!  



quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

BOM NATAL, CASEIRINHO!

UAUU #240

SINGLES #35
















THE BLACK LIPS / THE KING KHAN AND BBQ SHOW
Christmas in Bagdad (Black Lips)

Plump Richteous (Khan)
Norton Records, 2007
Editado no período de maior violência da chamada Guerra do Iraque que custou a morte a quase a 1000 americanos só no ano de 2007, o Natal pela cidade de Bagdad serviu de inspiração contestatária aos irrequietos The Black Lips. A fotografia da capa diz tudo quanto à eterna contradição ocidental mas ainda hoje a sociedade americana continua a assistir a uma violência quase diária motivada pela facilidade de acesso a qualquer tipo de armas! A lírica, sem contemplações, não deixa dúvidas: 

Christmas in Baghdad can be such a drag
I don't want to come home in a body bag
No cameras, no cheer, just all violence here 

para tudo rematar com uma tirada perfeitamente actual tendo em conta os últimos acontecimentos por terras americanas... 

We'll have to settle the score
It could be at my front door
And I won't miss Christmas no more

Habituados a split singles os Black Lips partilham aqui o lado B da rodela verde com os The King Khan And BBQ Show num instrumental gingão e perfeitamente adequado para uma qualquer madrugada dançante. 
Merry Christmas e, já agora, muita paz!   



PVC - PORTO VINIL CIRCUITO #10



De volta à actual rua 31 de Janeiro para mais uma discoteca. A Ritmo estava situada a meio da descida (raramente, como é óbvio, subimos a rua...) e a sua antiguidade é anterior ao 25 de Abril já que a partir dessa altura a artéria foi rebaptizada de 31 de Janeiro. O logótipo da loja, um desenho brilhante de um guitarrista negro, demonstra bom gosto e cuidado na apresentação mas efectivamente as memórias do local são, no nosso caso, inexistentes. O prédio está hoje encerrado e abandonado e serviu nos últimos tempos, pelos vestígios da montra, de cafetaria e snack-bar. A qualidade dos materiais da fachada - aquele ladrilhado negro muito típico de um certo Porto com cinquenta anos misturado com a mármore - está mesmo a pedir uma intervenção e recuperação que, curiosamente, o veículo estacionado aquando da fotografia parece sugerir. Infelizmente, serve na sua entrada de refúgio a mais um sem-abrigo da cidade, um fenómeno crescente e triste magnificamente documentado na reportagem do jornal Público de Domingo passado e que nos faz lembrar um certo hobo do "Morning Glory" do Tim Buckley...     

Ritmo, Rua de Santo António (31 de Janeiro), 107, Porto

Ritmo, Rua de Santo António (31 de Janeiro), 107, Porto

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

LOBO #11





















Mais um verdadeiro achado com que António Sérgio e Ana Cristina nos brindaram a 10 de Agosto de 2001 n' O Independente: os The Baptist Generals tinham editado "Dog" em 1998, o primeiro álbum radicado em Denton, Texas, banhado a blues e grass sem subtilezas e de uma pureza que, como referido, era até um sacrilégio a sua gravação digital em CD e não em vinil. Uma banda estranha, que se resguarda ainda hoje num quase anonimato e que, mesmo assim, só em 2013 pôs cá fora um segundo disco na SubPop Records que merece toda a atenção.   



segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

UAUU #239

FUTURE ISLANDS, UM ANO EM RESUMO














Os Future Islands foram uma das bandas sensação de 2014 (canção do ano aqui para a casa) e o êxito alcançado levou-os numa digressão intensa e, certamente, desgastante muito por culpa da já mítica actuação no programa de Letterman em Março. Pena que não os tivéssemos apanhado pelo Hard Club em Outubro mas o regresso está já marcado para o Alive em 2015. Aqui fica o filme da inesperada aventura!

FAROL #116











Em semana de prendas a DFA não se esqueceu dos aficionados e disponibiliza gratuitamente um EP com quatro remixes de temas de Juan MacLean, Dan Boden, Sinkane e os fantásticos Museum of Love. À carga!

sábado, 20 de dezembro de 2014

GRANDE VIAGEM!

Pode não ter entrado na nossa lista de canções do ano mas esta pérola de Benjamin Garrett que se esconde atrás do nome de Fryars é irresistivelmente saborosa e a lembrar um Scott Walker intemporal... Só falta a rodela de vinil, pequena!  

domingo, 14 de dezembro de 2014

BEAUTIFY JUNKYARDS + NICK GARRIE, Maus Hábitos, Porto, 13 de Dezembro de 2014

Beautify Junkyards, Maus Hábitos

Beautify Junkyards, Maus Hábitos

Nick Garrie & Beautify Junkyards, Maus Hábitos

Nick Garrie, Maus Hábitos

Nick Garrie & Beautify Junkyards, Maus Hábitos







































































A crónica da noite de ontem podia começar por tentar encontrar uma razão para que, num sábado, a presença de público nos Maus Hábitos fosse tão confrangedora - não mais de 25 pessoas - mas o Porto tem e continuará a ter destes fenómenos inexplicáveis... Adiante. Para os Beautify Junkyards esta era mesmo a estreia a sério pela Invicta já que a passagem pelo Fantasporto do ano passado para musicar um filme de animação não tinha permitido testar o disco então editado. Apesar do vazio da sala, a banda enfrentou segura as versões de Kraftwerk, Mutantes ou Nick Drake, apresentando, pareceu-nos, um ou dois temas originais certamente de um álbum que se adivinha. Há versatilidade, arrojo e polivalência em quantidade e qualidade ou não fosse a experiência dos músicos já longínqua e a que se junta uma jovem mas linda voz no feminino. Para o provar, como se fosse preciso, ficou a brilhante versão de "Que o Amor Não Me Engana" de Zeca Afonso com que findaram o concerto. Para a semana na CDM há mais!
Para a tal vintena de almas que decidiram não perder uma ementa deste calibre e que inclui até fãs vindos da Galiza, chegava então o momento especial. Nick Garrie pegou na guitarra, convocou-nos a todos para o chão fronteiro do palco a troco de "meia dúzia de setlists assinadas" e o que se seguiu foi precioso. A sua curiosa história, bem contada, aliás, num artigo do Público de quinta-feira passada, não é muito diferente de tantos outros artistas (por exemplo, Rodriguez), mas as vicissitudes que Garrie lembrou entre canções com tanto humor e simpatia logo transformaram o espaço numa espécie de sala de estar a que não faltou até a enorme salamandra de aquecimento! "Ink Pot Eyes", "Can I Stay With You" e "Wanderer" são o exemplo de pérolas antigas agora devidamente reconhecidas e que nesta intimidade momentânea fazem ainda mais sentido e arrepio, mas Garrie juntou-lhes outras canções posteriores como "Wheel of Fortune", "Love In My Eyes" ou "Stay Till Morning Comes", esta cantada em coro suave mas afinado por todos os presentes antes da chamada ao palco de elementos dos Beautify Junkyards para um grande final apoteótico. Excelente! Só faltou o brinde, entre amigos, com vinho do Porto...   

SORTUDO!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

3X20 ESPECIAL 2014













20 CANÇÕES X 20 ÁLBUNS X 20 CONCERTOS 
10 Low + 10 High 2014
Escolhas caseiras, preocupações sem fronteiras e recompensas animadoras.

20 canções:
1. FUTURE ISLANDS - Seasons (Waiting On You)
2. TINY RUINS - Me at the Museum You in the Wintergardens
3. SHARON VAN ETTEN - Nothing Will Change
4. JESSIE WARE - Want Your Feeling
5. JACK WHITE - Lazaretto
6. OWEN PALLETT - In Conflict
7. COURTNEY BARNETT - History Eraser
8. JOHNNY CASH She Used To Love Me A Lot
9. BECK - Heart Is a Drum
10. THE AUTUMN DEFENSE - Why Don't We
11. CAPICUA - Vayorken
12. DAMIEN JURADO - Metallic Cloud
13. GRUFF RHYS - Liberty (Is Where We'll Be)
14. TIMBER TIMBRE - Hot Dreams
15. PURE X - Starlight
16. DAMON ALBARN - Lonely Press Play
17. BEVERLY MARTIN - Reckless Jane 
18. SHARON JONES & THE DAP-KINGS - People Don't Get What They Deserve
19. DEAN WAREHAM - Holding Pattern
20. BRUCE SPRINGSTEEN - Mary Mary

20 Álbuns:

1. SHARON VAN ETTEN - Are We There
2. LULUC - Passerby
3. VASHTI BUNYAN - Heartleap
4. OWEN PALLETT - In Conflict
5. TINY RUINS - Brightly Painted One 
6. THE WAR ON DRUGS - Lost In the Dream
7. GIL SCOTT HERON - Nothing New
8. PURE X - Angel
9. MAC DE MARCO - Salad Days
10. DAMIEN JURADO - Brothers and Sisters of the Eternal Son
11. BECK - Morning Phase
12. SIMIAN GHOST - The River Ouse
13. ANGEL OLSEN - Burn Your Fire For No Witness
14. MORENO VELOSO - Coisa Boa
15. TOUMANIE DIABATÉ SIDIKI DIABATÉ Toumani & Sidiki
16. ORCAS - Yearling
17. MUSEUM OF LOVE - Museum Of Love
18. ST. VINCENT - St. Vincent
19. TOM HICKOX - War, Peace and Diplomacy
20. REAL ESTATE - Atlas

20 Concertos:

1. BILL CALLAHAN, Casa da Música, Porto, 23 de Fevereiro »»»
2. ELEANOR FRIEDBERGER, Cidade da Cultura, ST de Compostela, 16 de Agosto »»»
3. CHARLES BRADLEY, Primavera Sound, Porto, 7 de Junho »»»
4. MARK EITZEL, Auditório de Espinho, 29 de Maio »»»
5. SAVAGES, Hard Club, Porto, 21 de Fevereiro »»»
6. SHARON JONES & THE DAP-KINGS, Auditório Mar de Vigo, 22 de Novembro, »»»
7. POND, Primavera Sound, Porto, 6 de Junho, »»»
8. MATTHEW E. WHITE, Centro de Arte de Ovar, 5 de Abril »»»
9. BEIRUT, Festival Paredes de Coura, 23 de Agosto »»»
10. JOHN GRANT, Primavera Sound, 7 de Junho »»»
11. DAMIEN JURADO, Auditorio do Concello, Vigo, 7 de Março »»»
12. NORBERTO LOBO, Em D'Bandada, Porto, 13 de Setembro »»»
13. HAMILTON LEITHOUSER, Festival Paredes de Coura, 23 de Agosto »»»
14. ST. VINCENT, Primavera Sound, Porto, 7 de Junho »»»
15. JAMES BLACKSHAW, Passos Manuel, Porto, 11 de Setembro »»»
16. WARPAINT, Primavera Sound, Porto, 6 de Junho »»»
17. CASS McCOMBS, Casa das Artes, VNFamalicão, 18 de Janeiro »»»
18. SUN KILL MOON, Casa da Música, Porto, 29 de Março »»»
19. MIDLAKE, Primavera Sound, Porto, 6 de Junho »»»
20. CAETANO VELOSO, Primavera Sound, 5 de Junho »»»

10 Low:
. o naufrágio de uma selecção por terras brasileiras;
. o descalabro do banco verde ou como só um pantomineiro podia ser um DDT;
. a hipocrisia ocidental e a propagação do Ébola;
. o imperador Putin e a queda de um avião de inocentes;   
. a arrogância irritante duma ministra da justiça;
. a saudade de Eusébio, a repulsa do "circo" funerário;
. a Casa da Música sem programação pop-rock;   
. os não-livros de Herberto Hélder e Saramago;
. a praxe indisfarçável e assassina sem culpados;
. a corda esticada da mentira que rebentou no final de uma manga de Aeroporto.

10 High:
. a coragem e inteligência do Papa Francisco; 
. a vibrante e amável Sharon Jones em Vigo; 
. o António Sérgio, finalmente, devidamente retratado;
. O CR7, por muito que não se goste;
. o regresso da Tubitek, no mesmo sítio e a dar música;
. a inquietude genial de Norberto Lobo;
. o Nic "!!!" Offer no Primavera a comer francesinhas entre tragos de verde;
. o Hank Moody, o Runkle, a Karen e a divina Faith na RTP2;  
. ainda e sempre, enquanto houver joelhos, o voleibol;
o traçar da meta da primeira Maratona.

YES, PATTI SMITH!














Tantas vezes desencontrada, tantas vezes perdida, é desta! 
Patti Smith estará no NOS Primavera do Porto em Junho. Yes! 

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

TRAGAM CÁ OS LAMBCHOP, POR FAVOR!















É um dos discos da nossa vida - "Nixon" dos Lambchop lançado em 2000 tem aquele travo a clássico desde a primeira audição e não há forma de o esquecer. Pô-lo a rodar é sempre uma dádiva divina que acentua a perfeição conceptual de uma dezena de canções supostamente sobre a vida do presidente americano Nixon mas que, longe disso, são sobre muitas e diversas vidas. No pico da forma, o colectivo de 13 músicos, sem falar na orquestra e coros de estúdio, revela neste álbum uma diversidade de registos pop, country, R&B e até soul que a voz grave, em sussurro ou em falsete de Kurt Wagner ajuda a perpetuar e que o transforma numa obra-prima. Em Abril de 2002, saímos disparados um final de tarde do Porto só para os ver na Gartejo lisboeta, uma estreia portuguesa que valeu todo e qualquer esforço, um daqueles concertos duma vida apesar de na altura ser o "Is A Woman" que começava a fazer furor. Pois bem, o disco foi reeditado este ano na série comemorativa dos 25 anos da Merge Records com um EP Bónus (cinco canções de um live solo radiofónico de Kurt Wagner nas White Sessions 1998 curiosamente chamado "How I Met Cat Power") e tem sido tocado na íntegra por terras americanas, chegando agora a vez da Europa para onde estão já marcados uma série de concertos em 2015. Lambchop Performing Nixon In It's Entirety é o chamariz de um espectáculo que, por favor, alguém tem que arrastar até cá...           







quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

FAROL #115











Para quem esteve no curto mas intenso concerto de Hamilton Leithauser em Paredes de Coura recorda com certeza um momento inolvidável: a versão de "All Or Nothing At Alll" de Sinatra com uma simples guitarra de fundo. A notável façanha do ex-Walkmen rodou por essa Europa fora em diversos festivais mas tinha sido felizmente registada, juntamente com uma outra versão de "It Gets Lonely Early", pelo site Aquarium Drunkyard sob o título de The Lagniappe Sessions. Um must

ST. PAUL AND THE BROKEN BONES DE SECRETÁRIA

JACCO GARNER DE REGRESSO AO PORTO















A anunciada digressão de Primavera que começa em Abril no velho continente vai trazer Jacco Gardner de regresso ao Porto depois do concerto no Passos Manuel em Fevereiro último. Dia 17 de Maio o holandês maravilha do neo-psicadelismo e da pop-barroca terá no Hard Club o palco ideal para dar som aos sonhos coloridos... Na véspera toca em Lisboa no Musicbox. Aqui ficam as boas festas!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

BOB DYLAN, VERSÕES NOCTURNAS!





















O 36º álbum de estúdio de Bob Dylan, que será lançado a 3 de Fevereiro próximo via Columbia Records, chama-se "Shadows In The Night" e reúne 10 versões de temas clássicos de Frank Sinatra registados sem truques ou esquemas de estúdio com uma banda de cinco elementos e posteriormente produzidos por Jack Frost. De "Autumn Leaves" (1945) a "That Lucky Old Sun" (1949) popularizado também por Louis Armstrong, há surpresas como "I'm a Fool to Want You" e este "Full Moon And Empty Arms" de 1945. Entranha-se!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

PVC - PORTO VINIL CIRCUITO #9






































Quando agarramos esta saca de papel numa qualquer incursão vinílica a ideia era passar pela loja, ainda aberta, e falar, possivelmente, com o Sr. Plácido, o Sr. Oliveira ou até o Sr. Silva para tentar saber de alguma história relativa à venda de discos na Porsil. O prédio ostentava até um reclame na vertical a vermelho, como se pode ver, aliás, na fotografia de 2009 do Google Street View. Agora é tarde... O espaço está abandonado, encerrado com grades e resta o nome no vidro cimeiro e um autocolante "Saldos" na montra, um sinal da agonia dos últimos tempos. Nunca lá compramos qualquer disco, mas chegamos a lá ir (1988? 1989?) mais uma cambada de amigos para ajudar na compra de um qualquer electrodoméstico seleccionado numa lista de casamento... Dá dó!   

                   Porsil, Av. Fernão de Magalhães, 864, Porto
Porsil, Av. Fernão de Magalhães, 864, Porto





LOBO #10





















Mais uma prova de mestre - o destaque a Johnny Dowd n' O Independente de 10 de Agosto de 2001, um solitário que no álbum "Temporary Shelter", dedicado aos pais que estão na capa do disco, arriscava uma sonoridade mais confiante na vida e na família, não perdendo o travo negro que motivou comparações a Tom Waits ou Nick Cave de boa cepa. Canções, que lembramos bem, não era fácil de ouvir no início da madrugada mas que, como sempre e no refúgio nocturno, faziam todo o sentido!      



quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

UAUU #235

FAROL #114











Os Efterklang que já aterraram em Lisboa para um concerto no Sábado na companhia do percussionista Tatu Ronkko, um projecto auto-denominado Liima, habituaram desde sempre os fãs a colaborações e entrosamentos diversos. Ao vivo, juntaram-se por diversas ocasiões aos amigos Slaraffenland e formaram os SlaraffenKLANG o que resultou até na oferta de um EP já aqui "farolado". Pois bem, mão largas, oferecem agora um outro que está pronto para descargas (juntamente com múltiplos mp3 e outros Ep's) no site da Rumraket. Tak!  

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

WILLIS EARL BEAL, O FILME!






















A vida de Willis Earl Beal dava um filme. Altos e baixos desde muito cedo na juventude, de mendigo a segurança de night club's, a veia artística permitiu-lhe um salto para ribalta que, mesmo assim, acarretou sempre desilusões, traições e inconformismo. Pois, o filme está feito, chama-se "Memphis", e depois de alguns contratempos e adiamentos, teve estreia em Nova Iorque em Setembro último, seguindo-se outras cidades americanas, nomeadamente Los Angeles onde se apresentou com destaque no prestigiado Sundance Film Festival. Realizado por Tim Sutton (o mesmo de "Pavillion" sobre o mundo das BMX), Earl Beal faz dele próprio na cidade que lhe dá título, rodeado de músicos lendários, crianças e um padre no limite da sensatez. Conta-se a sua história, os problemas com editoras e um talento para desbloquear. A película passou agora a estar disponível para visualização temporária ou definitiva através do Vimeo On Demand
Entretanto, o último álbum "Experiments in Time" sofreu uma bonificação, sendo-lhe acrescentado o EP "The Golden Hour" o que eleva a contenda para 21 faixas e quase uma hora e meia de puro deleite. Há também um novo video para "I Am".  







terça-feira, 2 de dezembro de 2014

ED HARCOURT PARA Nº 1?





















O hábito de ver o talento de Ed Harcourt pouco reconhecido por terras britânicas parece ter chegado ao fim. Convidado para escrever uma canção natalícia para uma campanha publicitária da Burberry, spot onde contracena o miúdo Romeo Beckam, esse mesmo, filho de David e Victoria, permitiu uma visibilidade inesperada da sua música e, afinal, dele próprio. As revelações ao The Independent permitem concluir que o tempo miserabilista e depressivo está, pelo menos, esquecido, levando-o até a lançar uma cruzada para que o tal tema inédito de nome "The Way That I Live" chegue a nº 1 do top inglês! É mesmo melhor aproveitar a onda chique!  



NATAL EM TONS DE AZUL





















A chamada Black Friday que decorreu na passada sexta-feira teve também direito, como é habitual, a uma infindável lista de discos exclusivos promovidos sob o selo da Record Store Day. Há alguns pedacinhos de vinil bem apetitosos (Jonathan Wilson, St. Vincent ou Beatles) mas a cereja é mesmo um 7" de Miles Davis com o clássico "Blue Xmas". Gravado em 1962 com Gil Evans e o cantor de bebop Bob Dorough, o tema goza com os excessos comerciais da época natalícia, ou seja, goza consigo mesmo e faz parte da banda sonora do filme "Jingle Bell Rocks!" já apresentado por aqui.  



Entretanto, a sempre recomendável La Blogothèque associou-se à Blue Note Records para a produção de um documentário intitulado "Take Way Blue", uma homenagem aquela mítica editora de jazz. O tributo, filmado em várias cidades em Setembro passado e dirigido por Colin Solal Cardo, conta com a participação de Patrick Watson (Montreal), Mondkopf (Ruoms, França), Moses Sumney (Nova Iorque) e Alex Zhang Hungtai/Dirty Beaches que se juntou aos amigos portugueses David Maranha e Gabriel Ferrandini num prédio antigo de Lisboa para se "atirar" a "Blue Train" de John Coltrane. 

UAUU #234

NICK DRAKE 40 #9













O excelente texto "Nick Drake - um desconhecido entre nós" de Pedro Adão e Silva saído na última edição da revista "Actual" do semanário "Expresso", está já disponível para leitura online. Com ele, encerra o destaque especial a propósito dos 40 anos da morte do músico inglês, embora Nick Drake, como facilmente percebem, seja sempre motivo de destaque nesta casa onde nunca precisa de tocar à campainha...     

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

SINGLES #35
















BEAUTIFY JUNKYARDS  
FROM THE MORNING/FUGA Nº2
Fruits de Merre Records, UK, CRUSTACEAN 30, 2012
Os lisboetas Beautify Junkyards escolheram "From the Morning" de Nick Drake para juntar a uma série de outras versões no álbum de estreia. Logo à primeira escuta, como demos conta por aqui, percebeu-se a distinção da jogada, um risco assumido mas que resulta numa sonoridade muito própria e vincadamente moderna. Quando soubemos que havia uma casa de discos inglesa que pretendia lançar uma edição limitada de um single com a tal cover, não descansamos enquanto não o tivemos na mão. Na altura, percebemos que o vinil escolhido, para além de alta qualidade, teria várias cores e, sendo assim a simples encomenda às escuras alterou-se para uma dose dupla. As bonitas peças que acima se reproduzem são hoje pérolas queridas da nossa colecção e, confirmam, que a música de Drake não tem país, língua ou dono. Os Beautify Junkyards vão estar pela Invicta ao longo do mês de Dezembro em, lá está, dose dupla e por isso façam o favor de não lhes perderem o rasto para ajudarem a cantar bem alto:

"And now we rise / we are verywhere"!  
  

NICK DRAKE 40 #8
























Artigo da BBC News que desfoca o errado estatuto de "Nick Drake, o Patrono dos Miseráveis" e, a propósito da edição do já referenciado livro coordenado por Gabrielle Drake, revela que até Chris de Burgh se quis juntar à festa

(RE)LIDO #68





















YO VI A NICK DRAKE
de Eduardo Jordá. Madrid: Rey Lear, 2014
Reunidos neste recente livro estão quatro contos publicados nos últimos anos pelo escritor maiorquino no "Diário de Sevilla" e outros jornais andaluzes na secção "Relatos de Verano". Uns sofreram alterações, outros somente correcções estilísticas, mas há um deles, o que dá o título à obra e abre a narração, que permanecia inédito. Em jeito de homenagem a Nick Drake, somos transportados para a mansão-mãe de Far Leys, cenário imaginado para um argumento ficcionado mas perfeitamente verossímil, tanto assim que Jordá, segundo confessado ao "ABC", teve que explicar a um amigo incrédulo que nunca lá esteve ou viu sequer Nick Drake! Efectivamente, o autor passou o verão de 1973 numa casa de um outro amigo inglês em Birmingham, muito perto de Far Leys, residência onde Drake gastou os últimos e depressivos dias de vida, mas apesar de ser dos poucos que na altura admirava as suas canções e tinha os discos todos, não fez nenhuma visita ao local. Pelos pormenores usados, nota-se que estudou afincadamente a biografia, as fotografias, as histórias que relacionam a casa, os seus jardins e divisões aos personagens principais da trama - o próprio Nick, que supostamente viu de relance e do exterior numa primeira e fugaz visita em 1973 juntamente com a empregada Birmanesa de nome Naw e a quem perguntou pelo cantor, e o pai, Rodney Drake, que numa segunda visita em 1980, depois da morte do filho, o recebe e encaminha para o interior da mansão. Aqui, para todos os aficionados como nós, o conto ganha uma dimensão peregrina e misteriosa com a descrição pormenorizada das salas e dos seus adereços, entre diálogos respeitantes à anterior tentativa de visita ou argumentos fundamentados sobre a condição física e mental de Nick na voz do pai, até que entram no "Musicroom", o local onde estava um gravador de fita e o quadro original da capa de "Pink Moon". Mostra-lhe então uma folha pautada com a palavra "Unknown" em maiúsculas e mais algumas palavras soltas como "visita", "verano", "recordar" ou "que queria de mí?" ao lado de algumas notas musicais que correspondem a alguns trechos de uma gravação de fita que ouviram momentos antes... Concluem então que o filho teria tentado escrever uma canção sobre aquele "desconhecido" que o procurou em 1973 e que ele, afinal, também viu! Tudo termina com uma demanda inglória junto da editora, do biógrafo Patrick Humphries e da própria irmã Gabrielle Drake, sobre o paradeiro da tal fita. De facto, uma história bem contada, um sonho inconcretizável de ver um herói venerado e amado, tal como cantou o ex-Soft Boys Robyn Hitchcock no álbum "A Star for Bram" de 2000: 

I saw Nick Drake
At the corner of time and motion
I caught his eye and he caught mine


NICK DRAKE 40 #7












O nome Paul Wheeler que nos habituamos a ver referido em múltiplas biografias de Nick Drake, nomeadamente na de Patrick Humphries ou em artigos referentes à época, envolve uma série de coincidências notáveis. Compositor e guitarrista, amigo de John Martyn e colega de Drake em Cambridge, chegou a convidá-lo para visitar a mansão de John Lennon e Yoko Ono em Tittenhurst Park, Ascot, onde a sua esposa Diane era assistente pessoal. Pensar que Nick Drake talvez se tenha demorado nas teclas dum famoso piano branco é uma suposição sem confirmação desta curiosa incursão... Mais tarde, como professor de inglês no estrangeiro, chegou a Portugal, país onde se inspiraria para escrever canções. No álbum "Seachages" de 2001, baseado na chegada da internet e noutras "navegações", há dois temas com raizes lusas: "No Wonder" primeiro e "Planet", mais tarde, seriam escritas por cá, sendo a segunda o resultado da sua passagem pela Expo 98 dedicada precisamente aos oceanos (pormenores por aqui). Vive hoje junto ao mar, em Brighton, sudoeste de Inglaterra, continua a compor e escrever canções e é um dos muitos colaboradores e participantes no novo livro "Remembered for a While" onde tem um pequeno capítulo de conversa com Gabrielle Drake (pág. 198 a 202).