sábado, 28 de janeiro de 2017

UAUU #366

TOBIAS JESSO JR. ONDE ESTÁS?

























Foi um dos nosso álbuns fetiche de 2015 mas logo se transformou num verdadeiro clássico. "Goon", a estreia do miúdo Tobias Jesso Jr, é uma peça sonora sem idade nem tempo que arrasa más disposições e depressões sem sair do sítio, bastando para o efeito esperar até ao fim dos quarenta cinco minutos do álbum dividido em doze canções. Mas queremos mais, o que se afigura até hoje um enigma e um suspiro sem resposta já que o artista entrou em hibernação ou reclusão prolongada mesmo que o cartaz de cima que a editora fez questão de divulgar sarcasticamente há quase dois anos anuncie que é impossível passar-lhe ao lado - o jovem canadiano mede mais de 2 metros! O único "sinal de fumo" data de Setembro passado e é esta prometedora demo simplesmente chamada "Don't"...

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

FESTAROLA DA MÚSICA!





















Para quem, como nós, vai vasculhando vinil com alguma frequência em diversos locais e ocasiões não é habitual tagarelar sobre quais são ou aonde são esses spots... afinal a procura, a descoberta e a surpresa continuam a ser os aditivos do vício que sabe ainda melhor de forma solitária e secreta! Mas a Festa da Música, que volta ao Centro Comercial Cedofeita amanhã sábado durante todo o dia e no Domingo da parte da tarde, é simplesmente um encontro de amigos e aficionados sem cura e onde, para além dos discos, há muito mais para ver e ouvir. Imperdível!

AGNES OBEL, UMA PEDRA!

Há na subtileza e requinte do álbum "Citizen of Glass" de Agnes Obel muito para descobrir. Exemplo perfeito dessa sedução é este "Stone" aqui recriado em sessão caseira, uma "pedrada" que gostaríamos de experimentar num qualquer bom silêncio de uma sala por perto...


LOBO #16

























A paixão de António Sérgio pela música dos Kinks era indisfarçável. Lembramos bem aquando de um disco a solo de Ray Davies em 1998 chamado "The Storyteller" a que ninguém ligou nenhuma, lá estava o mestre a rodar a novidade e, para os mais distraídos, a insistir no seu talento. Ainda hoje os Kinks parecem uns parentes pobres da clássica pop inglesa mas certa é a sua influência em tantos artistas e bandas o que levou a Sub-Pop de Seattle em 2001 a convidar ao recreio de temas mais obscuros por parte de um grupo de artistas mais ligados ao grunge destinados a uma compilação intitulada "Give The People Waht We Want (Songs of The Kinks)" e de que o mestre seleccionou e destacou Mark Lanegan ou os The Makers. Curioso que a mais recente revista Mojo de Março tem Ray Davies na capa e um artigo fascinante para ler, havendo a companhia de um CD em jeito de tributo onde novos e velhos rockeiros - Ty Segall (ouça-se abaixo o grande "Waterloo Sunset"), Nada Surf ou Mick Harvey - refazem de fio a pavio o álbum de "Something Else" de 1967. Certamente "Kinkologia", da boa, como lhe chamou António Sérgio a 2 de Novembro de 2001 no "Dependências" do jornal "O Independente"...





quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

UAUU #365

TIM DARCY, SOZINHO NUM SÁBADO À NOITE!





















Os canadianos Ought surgiram-nos caídos do céu num fim de noite do Parque da Cidade em 2015 e depois dessa aparição ficamos imediatamente rendidos. O álbum do ano passado confirmou toda a volúpia da sua música e onde a voz e trejeitos do vocalista Tim Darcy são marcas indeléveis de um registo muito próprio e inconfundível. Surge agora o seu primeiro disco a solo com selo da Jagjaguwar a editar em Fevereiro e os dez temas de "Saturday Night", assim se chama o álbum, apontam sem disfarce para uma viagem sonora indie rock que remete para os eternos VU ou os bons tempos dos The Strokes mas que se alarga a tendências mais ligeiras e descontraídas. Aqui ficam duas boas provas desse esforço.



RYLEY WALKER, É DESTA!












O fascínio pela música de Ryley Walker aqui na casa teve encontro imediato pré-marcada para o passado Festival Paredes de Coura, onde o músico chegou até a fazer um pequeno concerto secreto, mas falhamos o compromisso... Depois, a mais recente aproximação a terras galegas apesar de atraente foi ensombrada por um fim de tarde de tempestade assustadora que adiou, mais uma vez, a viagem da concórdia. Surge agora a confirmação que Walker estará no GNRation de Braga a 13 de Abril próximo depois de na véspera tocar na ZDB lisboeta e, sendo assim, à terceira é de vez. É desta!

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

FATHER JOHN MISTY, COMÉDIA A CAMINHO!

O novo álbum de Father John Misty que a Bella Union editará em Abril próximo chama-se "Pure Comedy", precisamente o título do primeiro avanço conhecido ontem e que tem tanto de sarcástico como, infelizmente, de verdadeiro! Hoje, ficou também disponível o filme que apresenta o making off da nova aventura escrita em 2015 e registada em Los Angeles em 2016 e onde participaram, entre outros, Nico Muhly e Thomas Barlett aka Doveman. A produção, para além do próprio Josh Tilmann, recaiu no habitual mago Jonathan Wilson, o que é, no mínimo, um sinal de bom gosto!



UAUU #364

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

CANÇÃO DO ANO 2016 TEM VIDEO!

A "nossa" canção do ano transacto sai agora como single e tem finalmente video oficial rodado durante a tour que chegará a Braga dia 3 de Fevereiro! Can't wait...

BAROQUE OBAMA!

Merecida e bonita homenagem de Chilly Gonzales e que serve de meditação para o que aí vêm, ou não, a partir de hoje...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

LAMBCHOP, Auditório de Espinho, 18 de Janeiro de 2017

O regresso rápido dos Lambchop ao norte do país, depois da semi-desilusão do ano transacto em Vila do Conde, teve ontem noite de lua cheia! Há um disco nada fácil para apresentar de nome "Flotus", uma inclassificável aventura sonora de que se vai aprendendo a gostar e que se entranha a sério a cada nova audição. O quarteto surgiu solto e animado - as tiradas de Tony Row continuam viperinas - mesmo que a reacção do público que esgotou a plateia nunca tenha sido eufórica ou desmedida, medindo cada tema com rigor na esperança de ouvir canções antigas. Exceptuando o velhinho "Poor Bastard", "Gone Tomorrow" e o sempre arrepiante "The New Cobweb Summer", o alinhamento não saiu do guião do novo registo onde se fez notar o gozo com que estes recentes temas são apresentados e nas quais a banda se vai maravilhosamente entretendo e reinventando em jeito coolness mesmo que bateria tenha interferido, por vezes, em demasia. Destaque para "The Hustle" que quase iniciou e terminou o serão e cujo o original de dezoito minutos de feição electrónica que deu vida a um pequeno filme-memória foi transformado num novo must, pleno de arranjos pop e onde as linhas de piano e de baixo jogam e de que maneira com um balanço perfeitamente clássico. Por isso mesmo, é obrigatória a aquisição de um 12" de vinil somente disponível nos concertos onde repousa uma versão desse tema sem a sofisticação do original e que serve para, em casa sentadinhos no sofá, pormos a rodela a girar as memórias de uma noite saborosamente perfeita!    



UAUU #363

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

LAURA MARLING, SEMPRE INQUIETANTE!





















Aproxima-se mais um disco monumental de Laura Marling algo a que a cantautora inglesa nos tem habituado nos últimos anos e que receberá o nome de "Sempre Femina". O pedacinho que por aqui já deixamos não engana e a auto-realização do video para esse "Soothing" é só uma primeira "reflexão" interior pela condição do que é ser artista no feminino nos dias de hoje. A propósito, Marling viajou para os E.U.A. onde entrevistou lendas como Dolly Parton ou Emmylou Harris ou então parceiras como Karen Olsen e as Haim sem descurar conversas com novos talentos britânicos como Shura ou Marika Hackman. Os testemunhos devidamente reunidos no site Reversal of the Muse tentam desvendar a sua inquietação constante sobre a sexualidade, a música e a vida. Apesar de jovem - 26 anos! - as canções de Marling continuam a confirmar uma notável maturidade artística como o comprova o novo tema "Wild Fire" e outros tantos estreados muito recentemente numa sessão radiofónica. Só é pena que estreia portuguesa ao vivo tarde em acontecer e ouvindo e vendo, por exemplo, o concerto que realizou em Fevereiro passado em Bristol que está agora todinho online, rapidamente se pergunta como é que se pode passar ao lado de um talento deste calibre...      




UAUU #362

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

STEVE SMYTH NO MINHO!





















O australiano Steve Smyth tem dois concertos agendados para hoje e amanhã em Guimarães e Barcelos. Mais informações aqui. Quem puder, é ir...



quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

ROCKY RACOON #12

























Este anúncio do jornal "Público" de 23 de Dezembro passado era impossível passar-nos despercebido - página ímpar inteiramente a preto e branco, uma icónica fotografias dos The Beatles e uma marca de relógios prestigiada, aguçaram-nos a curiosidade para tentar saber mais e... sonhar. O produto, um clássico da casa suiça chamado maestro, recebeu os treze títulos dos álbuns da banda ao redor do mostrador substituindo os números e na posição das 4 horas a reprodução da célebre capa do disco "Help" editado em 1965 com logótipo oficial bem centrado no mostrador. Simples, clássico, eterno! A edição limitada pretendeu em 2016 comemorar os quarenta anos da Raymond Weill e dizem que foram somente produzidos três mil exemplares da peça anunciada por cá estrategicamente na ante-véspera de Natal! Pena o preço de tamanha tentação - andar no pulso com 1400€ não é para todos - e por isso, a paixão foi rápida e passageira ao contrário do que cantou John Lennon...

It's a love that last forever
It's a love that has no past

LOBO #15





















As escolhas do mestre António Sérgio no suplemento "dependências" do jornal "O Independente" foram na maioria das vezes arriscadas e imprevisíveis. As de 7 de Setembro de 2001 recaíram sobre duas bandas de trajectos diferenciados - os South San Gabriel, magníficos e a que poucos deram atenção, tinham em Will Johnson um verdadeiro mago do lo-fi quase acústico, um refúgio mais melódico da verdadeira banda "modelo" de Johnson denominada Centro-Matic e que se extinguiu, aparentemente, em 2014. Lembramos bem algumas das suas canções que chegaram a ser tocadas ao vivo aquando do projecto Undertow Orchestra que o juntou a Mark Eitzel, David Bazan e Vic Chesnutt e que em Junho de 2006 se apresentou em pleno na sala grande da Casa da Música mas a que poucos, infelizmente, compareceram. Irrepetível, embora no ano seguinte tenha partilhado a solo um serão bracarense com Micah P. Hinson. Will Johnson continua muito activo entre a pintura, digressões a solo ou com os amigos e discos novos como o que se adivinha para Março próximo.
Sobre a outra escolha, curiosamente chamada Jackpot, a aposta, no nosso caso, passou totalmente ao lado. Elogiava-se a frescura das canções de um trio californiano em início de carreira mas de que nunca encontramos o rasto...    



quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

ITASCA, SINÓNIMO DE BELEZA!
















Circular em redor do nome Itasca pode sugerir uma série de graçolas à portuguesa. Neste caso, o que interessa é o que ele realmente esconde - um disco enorme chamado "Open To Chance" saído em Setembro passado que foi todo ele escrito e composto por Kayla Cohen, nome de baptismo de uma jovem talentosa crescida em Nova Iorque mas que em boa hora se mudou para Los Angeles em 2011, cidade onde se lançou na descoberta de diversos enigmas mitológicos escondidos pelo deserto. Há já um álbum de estreia de 2014 ("Unmoored by the Wind") que urge também descobrir e onde, simplesmente à guitarra, evidenciava desde logo muita da magia que podemos agora saborear em pleno e onde, acompanhada por uma banda, nos embriaga de beleza. Saber que menina esteve em digressão com Ryley Walker no final de 2016 e que ambos passaram por Vigo, certamente para um serão monumental, causa-nos ainda mais arrepios pela falta de comparência!        



MERING & ROSENBERG, DUPLA ABENÇOADA!





















A terceira edição do festival Marfa Myths que se realiza no deserto texano em Março reunirá durante quatro dias uma série de novos artistas cuja inspiração psicadélica e transcendental se misturam na perfeição - Jenny Hval, Julia Holter, Connan Mockasin ou Cate le Bon juntam-se a verdadeiras lendas como Roky Erickson ou Pharaoh Sanders, estando agendada uma inédita parceria ao vivo e em residência artística entre Weyes Blood e Perfume Genius. Antes e como resultado do segundo evento há um disco a editar no final do mês titulado Myths 002 (do inicial, em 2014, resultou também um 12" colaborativo de Connan Mockasin e Dev Haines/Blood Orange) onde harmoniosamente a menina Natalie Mering aka Weyes Blood e Ariel Rosenberg aka Ariel Pink colaboraram em quatro temas (dois deles versões) e no qual receberam a benção e a ajuda de Connan Mockasin e Andrew VanWyngraden dos MGMT. O esforço e o festival são uma concepção e promoção da Mexican Summer com sede em Brooklyn e da galeria de arte e animação cultural Ballroom Marfa.

3X20 JANEIRO















terça-feira, 10 de janeiro de 2017

MARK EITZEL, A RESPOSTA!

A segunda canção escolhida para ser destapada do novo álbum de Mark Eitzel a editar ainda este mês é precisamente "An Answer", confirmando a nossa dúvida de Outubro passado! O tema foi originalmente apresentado em versão acústica aquando da sua passagem por Guimarães em 2014 com o nome de "No Answer" mas o que podemos agora ouvir é ainda mais fabuloso. Prometido está um video apropriado como resultado de um desafio sobre dançar na cozinha...





segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

SAUDADES!

Bowie faria ontem 70 anos!
Bruni fará em Dezembro 50 anos!
Saudades dos dois!