segunda-feira, 22 de julho de 2013

(RE)LIDO #49





















NICK DRAKE - THE PINK MOON FILES

de Jason Creed. Londres; Omnibus Press, 2011
A nossa reacção à descoberta mágica da música de Nick Drake, a partir da compilação "Way to Blue" editada em 1994, foi igual à de muitos outros para sempre "afectados" - tentar obter o máximo de informações, discos, sons, fotografias, filmes, etc. que nos pudessem conduzir a uma percepção justa sobre o porquê de tamanha qualidade. Na altura, a internet dava os primeiros passos e mostrava-se como a fonte ideal e quase única para o desbravar do mistério, uma demanda virtual, mesmo assim, bastante repetitiva e reduzida a um ou dois sites exclusivamente dedicados ao músico, um deles ainda hoje disponível mas não actualizado. Outra referência obrigatória desses tempos era o nome de Jason Creed, um jovem também ele recém convertido à genialidade de Drake e que, como nós, queria compreender, absorver e espalhar a sua música tão injustamente desconhecida. Fundou, para o efeito, um simples fanzine em papel a5 de 24 páginas a que deu o nome de "Pink Moon", título do terceiro e último álbum de Drake e também de uma mítica canção a que até o miúdo Jake Bugg não resiste. Com contribuições de uma multiplicidade de fãs sempre expectantes por novidades e revelações e depois de colocar anúncios em revistas e publicações musicais solicitando a compra ou permuta de artigos de imprensa, testemunhos, gravações, etc., cedo a publicação se tornou um êxito intercontinental. Entrevistou amigos, músicos, produtores e tantos outros que privaram directamente com o músico, procurando colaborações diversas e inusitadas para que a dimensão artística fosse amplamente percebida ou esclarecida. Em 2000 e ao fim de 19 números e mais de 10.000 exemplares vendidos, Creed perdeu, sem razão aparente, o entusiasmo e o fanzine foi adiando o regresso que nunca viria a acontecer. A importância da sua dedicação valeu-lhe, dez anos depois, o convite da Omibus Press para realizar uma compilação dos preciosos artigos e que decidiu dividir em temáticas abrangentes, tal como álbuns, actuações ao vivo, livros, gravações raras, tributos, filmes ou televisão, bem como um capítulo dedicado a Tanworth-in-Arden, recanto do coutryside inglês onde Nick Drake nasceu e faleceu e um outro, por sinal bem interessante, sobre a psicologia inerente ao seu fatal destino. Creed tornou-se, desta forma, um expert conceituado na temática a que biógrafos ou realizadores acabaram por recorrer firmes da sua válida contribuição - curiosa a sua participação no documentário "A Stranger Among Us" passeando por Glasturnbury de foto de Drake na mão perguntando "Do you know this man?".
Como certamente notam, temos lido, ouvido e visto muita coisa sobre Drake, de livros a programas de rádio, tv, documentários ou filmes e, mesmo assim, quando fechamos este livro acabamos a matutar no nível de informação aprendida, verdadeiros "ficheiros secretos" finalmente resolvidos e concluídos. Haverá, no entanto, uma imensidão de "enigmas" ainda por deslindar que, certamente, o tempo acabará por resolver e muitos outros que entretanto surgirão. Aqui ficam dois não incluídos neste "arquivo": será Nick Drake aquele personagem alto de negro e longo cabelo a passear-se por um "festival" e o que raio faz o lindo "From the Morning" num spot da At&T? Miudezas... 
               


Sem comentários: