segunda-feira, 30 de abril de 2018

MATCHESS + CIRCUIT DES YEUX, Auditório de Espinho, 28 de Abril de 2018

A história que Haley For aka Circuit des Yeux diz ter-lhe acontecido algures em 2016 que envolve, em determinado momento, um sombrio golpe de trevas seguido de um banho de luz níveo, marcou desde logo toda a inspiração que repousa no magnífico disco do ano passado "Reaching For Indigo". Foi essa peça de misteriosa matéria sonora que foi apresentado em Espinho perante uma plateia receptiva à surpresa e ao encantamento que haveriam de pairar por entre a escuridão da sala. Iluminado amiúde por ténues projecções laterais, o quarteto de serviço preferiu percorrer a quase totalidade do referido álbum respeitando o seu sugestivo alinhamento de forma grandiosa e que teve em "Brainshfit" e "Black Fly" um começo arrebatador. Aquela voz barítona de rara estranheza acelerou então, e sem contemplações, o caminho para o êxtase pretendido numa tensão crescente culminada em "Falling Blonde", um cume de rara beleza a dispensar qualquer encore. Ele acabaria, naturalmente, por acontecer envolvido por muitas palmas e já com um pouco mais de luminosidade em palco, como que sinalizando o fim da nebulosidade negra e a chegada de algumas abertas luzentes onde brilhou uma versão da grande Lucinda Williams. Excelente concerto!



Antes de se juntar à banda de Haley For e com uma única vela acesa a fazer-lhe companhia, a violinista Whitney Johnson aka Matchess teve trinta minutos para testar as suas experiências sonoras que envolveram cassetes audio em loop, a sua própria voz e uma viola de arco, uma espécie de violino mais encorpado. As texturas entoadas sugeriram uma densidade ambiental de carisma misterioso e obviamente negro que serviu como antecâmera funcional do concerto principal. 


Sem comentários: