domingo, 26 de abril de 2015

sexta-feira, 24 de abril de 2015

SINGLES #36





















DUARTE MENDES - Madrugada/Entre Espanha e o Mar
Portugal, Orfeu, KSAT 522, 1975
Um filho a guerrear a mãe ou uma revolução sem sangue, Portugal é, se houvesse dúvidas, um país sui generis. Medindo as distâncias, tivemos até um capitão de Abril que era também cantor! Passam agora 40 anos sobre a ida ao Festival da Eurovisão da canção "Madrugada" interpretada por Duarte Mendes, o tal herói que ajudou a derrubar um regime de quase 50 anos mas com uma veia artística notável e muitas vezes esquecida. Em anteriores participações no certame português cantou "Então Dizia-te" em 1970, "Adolescente" em 1971, a lindíssima "Cidade Alheia" em 1972 e "Gente" em 1973. Apesar da insistência, não teve, é certo, muita sorte que viria no entanto a sorrir-lhe um ano depois da revolução, relegando Paulo de Carvalho para o 2º lugar... Esta "Madrugada" tem aquele travo de época bem notório, de lírica libertadora e vincada e é vê-lo abaixo, de cravo ao peito, a defender de cabeça levantada as cores nacionais em Estocolmo. O exemplar da nossa colecção tem a capa amarfanhada e gasta mas atendendo à raridade da rodela é como se estivesse novo e serve para homenagear, como sempre nesta data e na tal madrugada que Sophia "esperava/o dia inicial inteiro e limpo", todos os que, como diz a canção, morreram sem saber porquê.

LOBO #14





















Quando António Sérgio fazia soar os Sparklehorse o tempo, lembramos bem, parecia parar. Quando chegou "It's A Wonderful Life", que o mestre fez questão de destacar n' O Independente de 31 de Agosto de 2001, a magia das canções, a sua corrosão sensorial e afectiva cedo as transformou em clássicos eternos. Bem nos enterramos na cadeira do António Lamoso na Feira em 2006, prestes a comover-nos sem saber que Linkous partiria poucos anos depois e ficamos à espera que ela, a canção, uma das tais que nos corre no sangue, aparecesse... Houve outras, lindas, mas esse tormento sonhado chamado "Sea of Teeth" não quis Linkous que aterrasse no escuro da sala para se evitarem as lágrimas. Afinal, a vida é bela! 

Stars will always hang, in summer's bleeding fangs
Seas forever boil, Trees return to soil

terça-feira, 21 de abril de 2015

LIANNE LA HAVAS, IMPARÁVEL!

O segundo álbum de Lianne La Havas anuncia-se para o início de Julho, chama-se "Blood", há versões de vinil autografadas em pré-encomenda, inspira-se na sua herança familiar jamaicana e numa viagem/descoberta a esse país e tem já um imparável single de apresentação - "Unstoppable", nem mais...

domingo, 19 de abril de 2015

ACTION RECORDS, ACÇÃO!













Uma das nossa principais "fornecedoras online" de discos em vinil chama-se Action Records, está situada em Preston, centro de Inglaterra, desde 1979 e tem uma tradição que desconhecíamos na totalidade. Há agora um pequeno filme que conta a história e, indirectamente, nos orgulha como clientes. Parabéns!

The Action Records Story: Chased by Nuns from Levy Park Productions on Vimeo.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

(RE)VISTO #62













A CANTIGA ERA UMA ARMA
de Joaquim Vieira. Lisboa: Nanook/RTP, 2014
RTP2, Quarta-feira, 15 de Abril de 2015
Sentados no sofá a saborear uma noite de futebol em cheio após algumas aulas nocturnas e um dia pelo Ribatejo para a montagem da mostra "Abril Vinil", foi com curiosidade que ouvimos a voz do Fernando Pessa a introduzir uma série de músicos em cima de um palco em imagens cintilantes a preto e branco! Numa coincidência feliz, começava na RTP2 a transmissão do documentário dirigido e concebido por Joaquim Vieira sobre a chamada música de intervenção estreado em televisão em Maio do ano passado aquando das comemorações dos 40 anos da revolução e que, na altura, nos escapou sem desculpa. Nos últimos dias tinham-nos passado pelas mãos tantos discos e histórias que agora nos entravam pelos olhos dentro numa notável recolha documental de imagens de época a que se juntam entrevistas recentes com muitos dos principais protagonistas. Saber que o hino do PPD foi escrito por Paulo de Carvalho sem custos, que o arrojo do "Tourada" do Fernando Tordo e do Ary dos Santos foi mesmo um desafio arriscado só posteriormente detectado, que o "Somos Livres" da Ermelinda Duarte que aprendemos a cantar na sala de aula (!) foi composto para uma peça de teatro, são só alguns dos muitos factos que vimos confirmados na primeira pessoa a que se se podem juntar muitos outros pormenores que ajudam a perceber, como sempre, que não é só o acaso que faz a história. A resposta colectiva dos chamados cantautores exilados quer no estrangeiro quer no próprio país ao novo ar que se respirava, partindo em digressão por todo o lado para espalhar "a palavra" num corropio sufocante foi, certamente, responsável para que muitas das canções se transformassem em hinos que, ao jeito de "discos pedidos", eram avidamente requisitados pelo povo - lembramos bem a massiva rodagem radiofónica do "Liberdade" do Sérgio Godinho e até do "Força Força Companheiro Vasco" da Carlos Alberto Moniz e da Maria do Amparo e que, ingenuamente, muitas vezes trauteamos sem saber quer era o tal Vasco! O desabafo de José Mário Branco que fundou o GAC-Grupo de Acção Cultural, lançando discos como "A Cantiga é uma Arma" por circuitos alternativos mas cujo dinheiro solidário das vendas nunca viu o rasto, é o retrato perfeito de um país que por muitas revoluções que aconteçam e se continue a cantar que o país é uma terra da fraternidade onde o povo é quem mais ordena, será sempre uma nação adiada. Seja como for, ficaram as canções e este documento é a prova da sua eterna força bélica! 

RICKIE LEE JONES, NOVO ÁLBUM!















Um novo álbum de Rickie Lee Jones será lançado no próximo dia 23 de Junho com o título de "The Other Side Of Desire". O projecto resulta de uma campanha de recolha de donativos através da disponibilização de uma série de suportes, documentos, adereços ou outra memorabilia atractiva e exclusiva como, por exemplo, a pintura original da capa do álbum "Flying Cowboys" de 1989 e que foi já vendida por cerca de 15.000 €! O disco, o primeiro de originais em dez anos, será acompanhado por um filme auto-retrato com o mesmo nome realizado por Gail Harvard e com estreia anunciada para o final deste ano. Aqui fica um pequeno trailer que anuncia este duplo regresso bem-vindo!  

segunda-feira, 13 de abril de 2015

COURA, A PRASS(A) DA CANÇÃO!

Primeiro foram os Tame Impala, os Pond, Father John Misty e até Charles Bradley duma assentada. Pouco tempo depois juntaram-se ao grupo os excitantes The War On Drugs. Hoje, para que não restem dúvidas sobre a edição histórica do Festival de Paredes de Coura de 2015, soube-se que Mark Lanegan, os White Fence e, oh alvissaras, a menina Natalie Prass também estão alinhados para o anfiteatro junto do Tabuão. Quando é que a benção vai parar? 

UAUU #257

3X20 ABRIL













sexta-feira, 10 de abril de 2015

CASA DA MÚSICA, 10 ANOS É MUITO TEMPO...





















muitos dias, muitos horas a cantar, diria o Paulo de Carvalho! A Casa da Música faz hoje dez anos e só à nossa conta são já, pelo menos, 88 concertos como comprova a lista abaixo. Fomos bastante entusiastas deste projecto (reparem bem na lista de 30 espectáculos do primeiro ano) mas o fulgor foi-se esvaziando e hoje a Casa resume-se aos famigerados Clubbings já que a programação pop-rock é praticamente inexistente! A variedade de estilos, que era uma imagem de marca, estreitou, mantêm-se, e muito bem, um serviço educativo activo e actuante, uma programação clássica notável e ciclos de jazz apreciáveis mas a Casa não soube ou não conseguiu marcar a cidade com uma única iniciativa de referência de música moderna... Não ficou e não existe um único festival, um ciclo de rock, indie, pop ou world-music. É pena, mas, apesar de tudo, os parabéns são mais que merecidos com a certeza de que a fotografia de cima continuará a ser, orgulhosamente, a nossa imagem de fundo do telemóvel!

2005 (30)
Radio 4/Ellen Allien/Vladislav Delay/I Wolf/Ellie/Nancy Sinatra/Richard Hawley/Roy Ayres/Funkateers/American Music Club/Warp Rec Night/Marc Moulin/Antony & Johnsons/Howe Gelb/Giant Sand/Shaeik Amad Al T/Talvin Singh/Sun Ra Arkestra/LCD Soundsystem/Carl Hanck Rux/Matthew Herbert/Plat Du Jour/Alan Courtis/Kimmo Pohjonen/Domenico+2/Seu Jorge/Irmin Schmidt/Kumo/Reel People/Giles Peterson

2006 (8)
Sofa Surfers/Kronos Quartet/Undertow Orchestra/Laurie Anderson/Antibalas Afrobeat Orchestra/Tchakare Kanye/Vetiver/Archie Shepp & Dar Gnawa

2007 (6)
Fujiya & Miyagi/Spektrum/Marcos Vale/Kassim+2/The Heritage Orchestra/Giles Peterson

2008 (11)
The Go! Team/The Whip/The Kills/Toumani Diabaté/Young Marble Giants/Vampire Weekend/These New Puritans/Lightspeed Champion/Toots & The Maytals/Dynamics/Kings of Convenience

2009 (9)
The Fall/Metronomy/Modernaire/Kid Kongo Powers/Télepathique/Konono Nº1/Batida/Rakes/Ebony Bones/

2010 (1)
Gil Scott-Heron

2011 (7)
Brad Mehhldau & Sofie Von Otter/Sharon Jones And The Dapkings/Torto/Laetitia Sadier/No Kids/Lee Ranaldo/Dean Wareham

2012 (4)
Aloe Blacc & The Grand/Darkside/Matthew Herbert/Pains of Being Pure At Heart

2013 (9)
Au Revoir Simone/Eleanor Friedberger/Sérgio Godinho/Rodrigo Amarante/Devendra Banhart/I Have a Tribe/Anna Calvi/Archie Bronson Outfit/Unknown Mortal Orchestra

2014 (3)
Bill Callahan/Sun Kill Moon/Thurston Moore 

PVC - PORTO VINIL CIRCUITO #12





















A loja Foto Coimbra continua, com surpresa, no mesmo local da Rua St. Ildefonso! Faz revelação tradicional de fotografia e é conhecida no Porto pelos retratos de pose que insiste em efectuar pela mão de Augusta e A. de Oliveira, história já contada num artigo do "Diário de Notícias". Aí, em 2006, fala-se que a casa tinha 18 anos na família mas a sua instalação deve ser bem anterior atendendo a que o negócio era bem diferenciado! Electro-domésticos, cinema para amadores, t.s.f/rádio, fotografia e... discos, como se imprimia a letras fortes na embalagem de papel que envolvia os singles. O exemplar de cima parece ter servido para alguém levar para casa o mítico "São Francisco" do Scott MacKenzie o que nos leva a supor que o negócio vem já de finais dos anos 60 ou inícios dos 70... 
There's a whole generation with a new explanation
People in motion people in motion


Foto Coimbra, Rua St. Ildefonso, 6, Porto

                   Foto Coimbra, Rua St. Ildefonso, 6, Porto

                    Foto Coimbra, Rua St. Ildefonso, 6, Porto

UAUU #256

terça-feira, 7 de abril de 2015

FAROL #118











A oferta tem já algum tempo mas continua a valer a pena: Ólof Arnalds, a menina do extintos (?) Múm, a (en)cantar em islandês quatro temas num EP denominado "Matador". É só preencher o email... Ficou-se ainda a saber hoje que para apresentar o novo disco "Palme" haverá concerto no auditório de Espinho a 16 de Maio próximo. Eia!  

segunda-feira, 6 de abril de 2015

SHARON JONES, MAIS UMA RODELA MÁGICA!





















O tema inédito "Little Boys With Shiny Toys" de Sharon Jones & The Dapkings lançado em Janeiro passado e que foi gravado durante as sessões do álbum de 2014 "Give the People Waht They Want", terá uma apetecível edição em single de vinil no próximo Record Store Day. Mais um para acrescentar à lista dos desejados, sendo que 200 exemplares aleatórios terão uma edição colorida. Funky!  

THE TALLEST MAN ON EARTH, O DESCOBRIDOR!





















Ao tentarem ver o audio-video do novo single de The Tallest Man on Earth não se espantem se a publicidade que antecipa a visualização disser respeito a uma conhecida marca de cerveja portuguesa! É que a canção chama-se "Sagres", estará incluída no quarto álbum do sueco Kristian Matsson que sai em Maio pela Dead Oceans e onde o músico faz o relato sonoro de diversas viagens dos últimos três anos. Em 2010 Matsson passou por Coura e talvez tenha repetido a incursão por terras lusas, onde, muito provavelmente, visitou e se inspirou no mítico promontório algarvio, o local mais ocidental da Europa. Aqui fica a "pista"...         

sexta-feira, 3 de abril de 2015

ED HARCOURT, AJUDA CRIATIVA!





















Um dos grandes entusiastas do Dia do Piano que se comemorou no Domingo passado foi o britânico Ed Harcourt, ele próprio um dependente assumido das teclas. O músico decidiu usar o seu estúdio para uma maratona criativa que foi transmitida em streaming e o resultado final é um tema inédito de dezassete minutos que está já disponível para audição ou compra. A peça recebeu o nome de "Restoration" depois de Harcourt ter visto o tocante documentário da BBC News sobre o único grande piano que resistiu à guerra do ano transacto na cidade de Gaza e que a organização belga Music Fund se lançou a recuperar. Para o efeito, toda e qualquer contribuição é bem-vinda. Música notável e um documento televisivo precioso e emotivo!

quarta-feira, 1 de abril de 2015

JOAN BAEZ, Coliseu do Porto, 31 de Março de 2015

Fotografia TVI/Reuters

















O concerto podia ter acabado ali que a noite tinha já valido a pena - sozinha em palco, guitarra nas mãos, Joan Baez desfila logo no início e duma assentada o "Donna, Donna", o "God is God" de Steve Earl e a sublime "There But Fortune" de Phil Ochs. Claro que o dedilhar das cordas já não é tão acentuado nem a voz tão cristalina, como humildemente reconhece, mas as canções tem ainda a força e a marca para fazer estremecer toda uma geração que praticamente encheu o Coliseu e que, aos primeiros versos a cappella de "Grândola Vila Morena", não se esqueceu de atirar cravos vermelhos para o palco ao mesmo tempo que entoava a todo o fôlego a canção de Zeca Afonso. Damos connosco a imaginar outros tempos de fervilhante pulsão política e cívica e o significado de pôr os seus discos a rodar no gira-discos da sala ou de uma canção a sair do rádio entre conversas inspiradoras e, talvez, conspiradoras... Por isso é que Baez se mantêm, como um prumo, na frente actual do activismo socio-político a cantar na Casa Branca para Barack Obama, a receber prémios da Amnistia Internacional ou a evocar incessantemente Joe Hill, operário lutador e nome de canção que Baez faz questão de homenagear desde Woodstock com uma versão de Earl Robinson. Mas o serão de ontem foi, acima de tudo, uma lição de história da música popular - "It' All Over Now Baby Blue" de Dylan, "Suzanne" de Cohen, "Imagine" de Lennon ou "House of The Rising Sun" dos Animals foram só alguns dos clássicos que se juntaram a (outras) pérolas como "Diamonds and Rust", "Where All The Flowers Gone", "Here's To You" e os indispensáveis "Gracias A la Vida" e "Blowing In The Wind" já no encore final, tudo com grande serenidade e mestria do trio em palco, num respeito mútuo que só a magia da música, sem idade, consegue alcançar e em tempos em que as "respostas", como sempre, continuam a soprar no vento...