quarta-feira, 30 de outubro de 2019

UAUU #510

AGNES OBEL, BEM-DITA MIOPIA!





















A paixão antiga pela música da dinamarquesa Agnes Obel não é fácil de esquecer. A cada disco, a cada canção, a cada nova sessão, vamos dando um humilde destaque aqui pela casa numa espera de quase dez anos por um concerto por perto que suspiramos se concretize. Parece ainda não ser desta vez, já que a digressão do próximo ano vai circular pelos principais países do velho continente sem datas portuguesas para depois chegar aos E.U.A. em Maio como espectáculo de abertura dos concertos dos Dead Can Dance. Não está fácil...

Tudo isto, claro, tem um motivo empolgante - o novo álbum "Myopia" sairá em Fevereiro na Europa na consagrada etiqueta amarela Deutsche Grammophon, sendo a mítica Blue Note a responsável pela sua publicação no continente americano. O método de gravação mantêm-se inalterado, ou seja, trata-se de mais um projecto de índole solitário com base no estúdio caseiro de Berlim, um isolamento auto-imposto para evitar distracções e más influências. A bolha protectora tem a intenção clara de focar e concentrar todos os esforços e inspirações na composição, tenacidade que própria classifica como uma miopia muito própria e envolvente. Misterioso como sempre, o resultado pode começar a adivinhar-se com este "Island of Doom".

terça-feira, 29 de outubro de 2019

THE INNOCENCE MISSION, ATÉ BREVE!





















O dia tristonho de hoje merecia, pelo menos, esta boa notícia - os The Innocence Mission terão álbum novo já em Janeiro de 2020 na Bella Union, o segundo em dois anos na editora inglesa de Simon Raymonde e Robin Guthrie dos Cocteau Twins. O conforto caseiro de Lancaster na Pennsylvania continua a ser o meio mais eficaz para apurar a composição das canções de Karen e Don Peris a que se junta a contribuição de Mike Bitts, o baixista original da banda, insistindo-se nas temáticas simples mas essenciais como a família, a amizade ou a experiência de vida que só o passar do tempo elucida. Aqui fica o primeiro de onze ensinamentos chamado "On Your Side" a ser inscrito em "See You Tomorrow"... see you!


FAZ HOJE (20) ANOS #14



















MORRISSEY, Coliseu do Porto, 29 de Outubro de 1999
. O Comércio do Porto, fotografia de Estela Silva, 30 de Outubro de 1999, última página
. O Comércio do Porto, por Miguel Reis Miranda, fotografia de Estela Silva, 31 de Outubro de 1999, p. 27



segunda-feira, 28 de outubro de 2019

DESTROYER, E VÃO TREZE!





















A carreira de Dan Bejar e dos seus imprescindíveis Destroyer aproxima-se vertiginosamente das bodas de prata, quase vinte cinco anos de uma aliança sonora de marca própria que eleva sempre a pop a níveis luxuosos. Está a chegar mais um produto de qualidade de recomendação imediata mesmo que só seja ainda possível testar a dose a partir de uma única canção - "Crimson Tide" é o pronúncio de mais um grande disco, o décimo terceiro a sair no final de Janeiro de 2020 e nomeado de "Have We Met" sem ponto de interrogação.

A composição dos novos temas foi feita, segundo dizem, à mesa da cozinha lá de casa num aparente regresso ao passado e a discos como o clássico "Kaputt" mas onde, certamente, se juntará um regresso ao futuro de versão relaxada e em catarse contínua como só Bejar pode e sabe fazer. E, sim, já nos conhecemos...


sábado, 26 de outubro de 2019

EFTERKLANG, Hard Club, Porto, 24 de Outubro de 2019

Nos seis anos que separam a estreia dos Efterklang pelo Porto em 2013 até ao regresso na noite de quinta-feira a agenda do colectivo dinamarquês esteve quase sempre preenchida. Filmes, documentários, expedições, rádios online, digressões com orquestras, novos projectos como os Liima ou aventuras a solo como a de Casper Clausen pela margem Sul são o espelho de uma inquietude artística de notável arrojo que já merecia um regresso às origens traduzido na edição em Setembro passado de um álbum de originais, o quinto, cantado em dinamarquês e propositadamente chamado "Altid Sammon ", ou seja, "Always Together"!

Sempre juntos e para além do trio original, ao vivo a sofisticação envolve agora uma baterista, um guitarrista e teclista a que se junta uma inusitada pequena harpa horizontal e uns laivos de flauta que orquestram uma sonoridade fina e purificada de estirpe, diríamos, rara. Podem estranhar-se as palavras em dinamarquês mas apetece de imediato beber sem receio destas canções que ondulam num tal exotismo que nos impelem a cantá-las sem saber o significado dos refrões ou das frases para gáudio de um Casper rendido a um improvisado coro de assinalável tessitura vocal que fez de um tal "Havet Lofter Sig" um memorável recital de curta duração...

Ao libreto faltava, então, uma segunda parte de consagração onde desfilaram alguns dos temas suspirados por um público adulto e fielmente agarrado a antiguidades como "Alike" e "Sedna" ou a tesouros pop como "The Ghost". Todos saborosos, nostálgicos e refrescantes mas é ainda e sempre "Modern Drift" a vibrar por osmose a plateia e o palco num singular momento de partilha e agitação. Aos Efterklang só pedimos que durem para sempre!

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

RUFUS WAINWRIGHT, VINTE ANOS DE GLAMOUR!

Há uma nova canção de Rufus Wainwright que anuncia um álbum de originais na editora BMG. O registo foi realizado nos mesmos e variados estúdios de Los Angeles onde o então jovem canadiano gravou o homónimo disco de estreia em 1998, mas deste vez a ajuda veio do creditado produtor Mitchell Froom que já colaborou com gente tão diversa como Richard Thompson, Elvis Costello ou Randy Newman. Espera-se, por isso, aquela maturidade glamorosa de que só um voz como esta é capaz e que tem neste "Trouble in Paradise" um primeiro e requintado exemplar...


quinta-feira, 24 de outubro de 2019

VETIVER ANTES DE DEVENDRA BANHART!

fotografia de Vera Marmelo/zdb
















A amizade e a cumplicidade entre Andy Cabic aka Vetiver e Devendra Banhart dava um livro de memórias de assinalável volume cujo primeiro capítulo teria início, eventualmente, no já longínquo ano de 2002! Digressões, canções, discos ou filmes, a parceria Cabic/Banhart teve desde sempre Portugal como um dos destinos de eleição tal como aconteceu, por exemplo, na memorável soirée que aportou a Espinho em 2015. A parceria tem, outra vez, agendamento acertado ao longo de toda a digressão europeia de Banhart que chegará ao Porto e a Lisboa nos próximos dias 15 e 16 de Fevereiro e na qual Cabic em nome dos Vetiver fará a primeira parte para depois ajudar, certamente, o amigo na apresentação principal.

Entretanto, há um álbum novo quase a chegar (1 de Novembro) de nome "Up On High" onde torna a cintilar o melhor que a folk americana consegue alcançar e que, felizmente, tem criado inúmeras raízes fecundas e saborosos frutos/canções para tornar a provar, sem restrições, frente-a-frente como convêm.




UAUU #509

PRINCE, QUE PENA!

Do segundo e homónimo álbum de Prince editado em Outubro de 1979 foram editados quatro singles, todos apetecíveis como "I Wann Be Your Lover" ou "Sexy Dancer", confirmando a veia talentosa do génio de Minneapolis para nos fazer saltar de imediato para o meio da pista de dança. Estranhamente, a melhor das canções não foi contemplada com uma rodela pequena - "I Feel For You" parecia estar destinada a outros voos na voz de Chaka Kan que a espalhou por todo o lado em 1984, um massacre desgastante na então MTV e em toda a rádio planetária.

No âmbito da comemoração dos quarenta anos do referido disco, parece fazer-se justiça com a edição exclusiva de um single de vinil púrpura contendo a versão fantástica e intemporal do original de "I Feel For You" no lado B já que para o lado principal foi escolhida uma inédita demo do tema onde um jovem Prince, à guitarra e no conforto caseiro, se diverte a espalhar magia em frente a um gravador de cassetes. As encomendas da rodela estão somente disponíveis por uma semana e o vinil só será previsivelmente enviado a partir do final de Janeiro próximo. Pena que se juntarmos o preço do tesourinho ao do envio, a brincadeira ultrapassará sempre os 35 aeros...

Entretanto e até dia 2 de Novembro, podem sempre descontrair vendo a exposição "Prince As Never Seen Before" no Arrábida Shopping de Gaia... de borla.




quarta-feira, 23 de outubro de 2019

WEYES BLOOD, ESTENDE-SE O PRAZER!
















A edição em CD de "Titanic Rising" de Weyes Blood pela Rough Trade em Abril passado trazia como bónus um outro disco com quatro temas em versão alternativa registados com a ajuda de Ariel Rechtshaid, produtor creditado a bandas como as Haim ou Vampire Weekend. Muitos reclamaram da exclusividade e da incapacidade de aceder a tamanho tesouro de prazer e, por isso, a partir de hoje o tal EP está disponível digitalmente através da Sup-Pop sem que haja, para já e infelizmente, versão desejada de vinil.

Os temas escolhidos para despojar no extendedn play foram "Wild Time", os singles "Everiday", "Something to Believe" e "A Lot's Gonna Change", agora renomeado de "A Lot Has Changed", tudo sublime e a engrandecer, por antecipação, o álbum do ano... A menina inicia sexta-feira uma esgotada digressão europeia na Rough Trade East londrina para desaguar dia 5 de Novembro na sala escura do GNRation bracarense, espaço, desde logo, encantado e afortunado! 




BRITTANY HOWARD DE SECRETÁRIA!

terça-feira, 22 de outubro de 2019

DANIEL MARTIN MOORE, PARA OLHAR EM FRENTE!





















Um novo trabalho de Daniel Martin Moore saído no início do mês é quase um milagre. Resultado de uma angariação de fundos com agendas e horários apertados para o seu registo, o álbum "Never Look Away" disponível para encomenda directa na plataforma Sofaburn impressiona pela leveza da composição e arranjos feitas a meias com Seth Kauffman (Floating Away) no seu estúdio caseiro de Black Mountain na Carolina do Norte.

Ao longo de dez faixas nem sempre, como avisado, as canções aparentam descontracção já que a morte do pai Moore em 2011 ainda é reflectida involuntariamente em alguns dos temas que se ultrapassa sem dificuldade pela consistência pacificadora da toada e a certeza que o melhor é sempre olhar em frente. O retrato da capa é da autoria da galardoada artista Ruth Speer.

Aconselha-se, desde já, moderação na audição que deve ser alternada com doses idênticas de calmantes Little Wings...





JONATHAN WILSON, SEM CADEIRA?















O concerto de Jonathan Wilson no Festival para Gentes Sentada em Braga dia 15 de Novembro parece estar suspenso. O músico publicou o seguinte comunicado:

Due to scheduling conflicts and unforeseen circumstances that need to keep me stateside, I regret to say I WON'T be able to make it to the UK/Europe next month. No worry, everything is cool. I have exciting news coming musically speaking, and I’ll be back with the band and a batch of brand new songs for you (and some old ones) in 2020…
Apologies to those who were excited about these shows. I WAS TOO! Just have to postpone this run y’all, thanks for understanding.
Please get in touch where you bought tickets for refunds (only Paris tickets will be good for whenever the new show comes together, so hold onto those if you can), and keep an eye out for the new dates

Será que nos tiraram a cadeira?

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

THE BLUE NILE, 30 ANOS DE HATS!





















Por incrível que pareça já passaram trinta anos sobre a edição do álbum "Hats" dos The Blue Nile! Confessada está, há muito, a nossa paixão pela banda, pelo disco, pela capa, pelas memórias... A semana passada a sempre atenta BBC dedicou-lhe um programa de duas horas (em) cheio de testemunhos, vénias ou confissões para ouvir sem demoras e restrições neste link enquanto é tempo. Thanks!


sábado, 19 de outubro de 2019

FAZ HOJE (14) ANOS #13

















MARK EITZEL, Café-Concerto da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, 19 de Outubro de 2005
. Jornal de Notícias, por José Miguel Gaspar, fotografia de Rui Pires, 21 de Outubro de 2005, p. 42





sexta-feira, 18 de outubro de 2019

UAUU #508

THE COMET IS COMING, Hard Club, Porto, 16 de Outubro de 2019

A actuante e refrescante onda jazz que vêm de Londres já nos valeu este ano encontros imediatos com os Sons of Kemet, Nubya Garcia ou Joe Armon-Jones, exemplos de partilha artística de tradição clássica onde a renovação e fruição são o adubo do êxito. Os The Comet Is Coming são da mesma cidade mas a vibração é, para além de mais antiga (2013), de um desalinho intoxicante mais agitador onde o saxofone de King Shabaka Hutchings, a bateria de Betamax Max Hallett e as teclas e efeitos de Danalogue Dan Leavers nos empurram sem contemplações para impulsos perigosos.

A alienação provocada sugeriu uma qualquer pulverização do espaço com pozinhos energéticos de origem cósmica ou não fosse este um cometa que, apesar da proximidade terrena, ainda não saiu da nossa órbita emitindo uma fusão grandiosa de electrónica, psicadelismo e muito jazz. Nesta onda, adoramos os planantes "Unity", "The Softness Of The Present" ou "The Universe Wakes Up", este já no encore a sinalizar uma aterragem programada que nos colocou os pés no chão ao fim de duas horas de levitação em que outros enlevos mais expansivos nos fizeram apertar o cinto de (in)segurança desde o início da viagem. Como qualquer cometa que brilha na atmosfera, o efeito foi visível, tangível e muito, mas mesmo muito, revigorante! O cometa dá-nos asas...   

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

DUETOS IMPROVÁVEIS #221

MATT BERNINGER & PHOEBE BRIDGERS
Walking On A String (Berninger)
Banda sonora de "Between Two Ferms: The Movie", Setembro de 2019

KELLEY STOLTZ, UM REGIME DE VINTE ANOS!
















O sistema sonoro psicadélico a que Kelley Stoltz aderiu há mais de vinte anos tem-se mantido activo e consistente, sem desistências fáceis e quebras de investimento. Há agora mais um reforço em forma de disco, o décimo da discografia e o segundo na editora madrilena Banana & Louie Records a que chamou "My Regime" e que, depois de alguns adiamentos, passou a estar disponível no final do mês passado. 

O novo trabalho resulta de um elevado esforço individual a título profissional (todos os instrumentos e a produção são do próprio depois de uma digressão como guitarrista-ritmo dos Echo & Bunnymen) e também emocional (casado de fresco, a morte repentina do pai trouxe óbvia tristeza) e continua a impressionar pela enorme qualidade de um verdadeiro regime unipessoal!




terça-feira, 15 de outubro de 2019

A GIRL CALLED EDDY, É DESTA!





















Passou quase um ano sobre uma suposta boa-nova que Erin Moran aka A Girl Called Eddy iria finalmente editar, ao fim de um retiro de quinze anos, um segundo e suspirado disco em Janeiro de 2019. Nos meses seguintes o entusiasmo foi-se esfumando quer por não existirem quaisquer sinais de movimentação em forma de canções quer também porque a senhora se foi tornando, outra vez, invisível!

Mas agora, como que brotada de uma espessa bruma, surge a confirmação com direito a capa e tudo que se reproduz acima - o tal disco sairá em 20 de Janeiro de 2020, terá o nome desafiante de "Been Around" e uma edição em pré-encomenda de vinil branco. Os pormenores que o antecipam são excitantes mas vamos esperar pela audição do disco para, com calma, o sorvermos em jeito de um clássico como é já descrito. Por falar em clássicos... obscuros!





SHARON VAN ETTEN DE SECRETÁRIA!

NILS FRAHM, SÓ ENCORES!





















A trilogia de pequenos discos que o alemão Nils Frahm começou a publicar em 2018 terá em breve a respectiva compilação. Num só álbum nomeado de "All Encores" a sair para a semana na milagrosa Erased Tapes com capa esbelta agregadora das cores da respectiva sequência, alinham-se uma dúzia de temas e mais de oitenta minutos de música surpreendente e elegante. A densidade do efeito é um pouco mais leve que a que se espalha pelo anterior e magnífico "All Melody", registo que serve de comparação mas, acima de tudo, de complemento e prolongamento circular e atmosférico.

Assim e nas palavras do músico, estaremos perante um projecto de espaço próprio e isolado ao jeito de uma ilha sonora que acabará, contudo, por ser conceptualmente inseparável do predecessor trabalho. Um (encore), dois (encores), três (encores) é para ouvir muita vez! 





segunda-feira, 14 de outubro de 2019

WILCO, THEY DIT IT AGAIN!

Tal como em 2013 por terras australianas, os Wilco emitiram em directo o seu concerto de madrugada no Brooklyyn Steel de Nova Iorque. Ouça-se, pois então!

sábado, 12 de outubro de 2019

DANIEL KNOX, O REGRESSO DE UM NOCTÍVAGO





















Uma das boas surpresas do Record Store Day passado recaiu na edição de um inédito 7" polegadas de Daniel Knox com duas novas canções não incluídas no álbum "Chasescene" saído no final de 2018. Irrequieto, o norte-americano prossegue activo na composição que terá em meados de Dezembro um acrescento digital de quatro temas na sua própria editora sob o título de "I Had a Wonderful Time", formato a que alguns chamam EP e outros mini-álbum.

A cidade de Chicago, em modo nocturno, serviu de inspiração solitária por percursos e locais alternativos e inesperados, tudo devidamente registado em imagens fotográficas que se transformam em sons e, posteriormente, em canções de cenário escuro e citadino. O primeiro avanço "Hollow" que se ouve abaixo é disso um exemplar cinematográfico com video dirigido e editado pelo próprio.

Recorda-se que Knox visitou-nos no início do ano para diversos concertos pelo país, estadia que, segundo um passarinho avisador, se irá repetir no mesmo mês de Janeiro de 2020...             

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

MOLLY BURCH, A MÃE PRÉ-NATAL!





















Com o já habitual prolongamento do verão traduzido em temperaturas mais que amenas e a ausência preocupante de chuva e frio, nem notamos que o Natal está perto. Primeiro foi John Rouse a avivar a lembrança, agora chega a vez da menina Molly Burch antecipar a época com o anúncio de um disco inteiro de canções natalícias, doze docinhos onde se incluem versões de "Happy New Year" dos Abba ou "Last Christmas" dos Wham na qual conta com a ajuda do actor e comediante John Early e da actriz Kaye Berlant.

Ainda sem nenhum avanço oficial que sirva para testar o registo, recorremos a uma versão do clássico "I'll Be Home For Christmas" popularizado por Bing Crosby e também escolhido para o integrar o novo álbum, em imagens captadas em 2010 numa galeria de Asheville na Carolina do Norte, onde a jovem Burch começava timidamente a brilhar...

3X20 OUTUBRO


















quarta-feira, 9 de outubro de 2019

RUSSELL & BRODERICK INCORPORATED!





























A paixão de Peter Broderick pelas canções de Arthur Russell (1951-1992) já nos valeu no Natal do ano passado um surpreendente e excelente disco de versões a cargo do próprio com a ajuda de alguns amigos. O contacto privilegiado com incontáveis horas de gravações do músico norte-americano teve ainda outra virtude - tempo, muito, para melhorar, editar, mexer e remexer em delicadas demos e proto-canções de Russell registadas em sessões de seleccionadas colaborações, um conjunto de tarefas descritas como sonhadoras ao lado de Tom Lee, parceiro em vida de Russel e Steve Knutson da editora Audika Records.

Ao fim de dez anos, o resultado final tem o nome de "Iowa Dream", uma colectânea que fará emergir dezanove canções tratadas e cuidadas de forma exemplar para fazer cintilar a composição e talento de um artista singular e empolgante que o mundo deve continuar a acarinhar e descobrir. Para isso, haverá no álbum muito para escolher, da pop-groove ao disco passando pela amada folk e até o funk como o prova o primeiro avanço "You Did It Yoursel". Dia 15 de Novembro é a data de lançamento.



Entretanto, Peter Broderick prepara-se também para a publicação de um novo trabalho - "One Hear Now" foi composto em onze partes para violino, piano, sintetizador, voz e percussão numa sessão de dezaseis horas no Sirius Art Centre de Cobh, Irlanda. A inspiração adveio dos murais restaurados do artista Brian O'Doherty nomeados de "One Hear Now: The Ogham Cycle", tendo Broderick associado as suas cores e geometrias aos sons pretendidos a que lhe juntou gravações captadas nos locais exteriores.

O álbum estará somente disponível (300 vinis 250 cd's) na residência ao vivo que se anuncia para Londres marcada para a London Served Jazz Quarters entre 11 e 14 de Novembro próximos, estando agendada a participação especial de Richard Youngs e Douglas Dare e de uma convidada surpresa na última noite. Cada concerto/evento e, já agora, o acesso aos discos exclusivos, só estará ao alcance de cinquenta sortudos...

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

NICK CAVE, PALAVRAS PARA QUÊ?

Muito já foi escrito e muito já foi vasculhado mas sobre "Ghosteen" de Nick Cave há pouco a dizer a não ser que se trata de um monumento à espera que o tempo o cubra daquela patine sofrida e verdadeira que só o vento afeiçoado e a chuva purificada permitem envelhecer. Uma agonia excepcional! 

HELADO NEGRO PARA SABOREAR EM VIGO!





















O nome equateriano de Roberto Carlos Lange é aqui na casa um perfeito desconhecido. Contudo, se lhe mudarmos o baptismo para Helado Negro, o seu epíteto artístico de base americana, o cenário muda de figura atendendo à qualidade das canções e dos discos, uma dupla virtude que vamos descobrindo cada vez melhor e que tem um passado de mais de uma década.

O último álbum "This Is How You Smile" editado em 2109 é um exemplar vitorioso desse charme e sedução que junta temas multi-sabor em espanhol e inglês ao jeito de Devendra Banhart com quem apresenta óbvias semelhanças sonoras e vocais. Faltaria, então, um teste ao vivo e a cores. A oportunidade parece estar disponível a 22 de Novembro por Vigo no âmbito da segunda edição do festival SuperBock Under Fest, evento ainda sem nomes ou outros pormenores conhecidos mas onde o próprio artista confirmou a presença, precisamente um dia antes de descer ao SuperBock Em Stock lisboeta. Pena que a data galega coincida com a vinda do senhor Robert Forster ao Porto... ups! Seja como for, aqui deixamos dois dos sabores fresquinhos!





THURSTON MOORE, SEMPRE A BOMBAR!

















Em constante tourneé ou contínua entrada e saída de estúdios, Thurston Moore apresenta-se imparável depois da implosão dos Sonic Youth em 2011. Discos, bandas sonoras, escritos ou colaborações diversas reafirmam nos últimos anos a polivalência e efervescência da sua irreverência, um agitado bem/mal estar a que Portugal têm quase sempre assistido a três dimensões - por exemplo, em 2016 passou pelo Manta vimaranense em formato trio e ainda este ano esteve sozinho a dar música a uma curta-metragem em Vila do Conde.

Agora há um novo testamento - "Spirit Counsel" saído no mês passado é uma trilogia longa e instrumental que se inicia com "Alice Moki Jayne", impressionante na sua rudeza de estrutura sónica e andamento diferenciado, experiência de onde emerge negritude e, vá lá, tristeza pacificadora. A seguir, homenageia-se Glenn Branca falecido em 2018 em "8 Spring Street" e encerra-se o testemunho com uma hora de "Galaxies", ensemble de doze guitarristas a tocar em doze cordas... 

Mas há mais outro terceto! Através da sua editora Ecstatic Peace o músico prepara ainda uma série de três 7" de vinil com excertos de gravações ao vivo de concertos do seu grupo ao longo de 2019, a saber, "Spring Swells", "Three Graces" e "Pollination". Haverá ainda um labo B comum a todos eles, neste caso, uma fantástica versão de "Leave Me Alone" dos New Order registada com um grupo de músicos em Salford, Manchester, cidade natal dos Joy Division. Moore estará, aliás, em digressão por terras britânicas já a partir da próxima semana... a bombar!




sexta-feira, 4 de outubro de 2019

SEAN O'HAGAN, UMA PROVA DE VIDA!















Com a bonita idade de sessenta anos bem marcada no rosto, o irlandês Sean O'Hagan desde os vinte anos que não larga a pop seja ao comando de bandas como os Microdisney ou os High Llamas, agrupado aos Stereolab, ao lado de Paul Weller, Cornelius e St. Etienne ou do próprio guru Brian Wilson. Muitas das pausas permitem ainda dar vida a muitas imagens de filmes ou documentários, um género profissional de arranjador que lhe serve de laboratório e teste numa pulsante e acurada veia que desde sempre foi reconhecida aqui pela casa.

Foram preciso, no entanto, trinta anos para que um novo álbum em nome próprio há muito prometido veja a luz do dia. No final do mês a Drag City terá o privilégio de editar "Radum Calls, Radum Calls", um segundo esforço como prova de vida a que, mesmo assim, não escapa a colaboração com Cathal Coughlan, o vocalista dos tais Microdisney de boa memória e ventura. Podem começar, desde já, a carregar na campainha... ding, dong!


ANGEL OLSEN, UMA ÚLTIMA CHANCE!

O magnífico "All Mirrors" de Angel Olsen acaba assim, de forma sublime, e as asas da boa melancolia começam logo a crescer...

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

WILL SAMSON, MISTERIOSO REGRESSO!















Nos últimos anos a vida atribulada do jovem Will Samson tem servido para cimentar uma carreira artística de prudência assinalável que pairava já no último disco "Welcome Oxygen". A morte do pai em 2012 ou um acidente traumatizante numa estadia por Portugal levou-o a terapias arriscadas como uma tal "psilocybin", mistura natural que agrega mais de duzentas espécies de cogumelos na tentativa de acalmar a ansiedade ou até uma desordem pós-traumática. 

Para a gravação de um novo álbum, para o que foi lançada previamente uma recolha de fundos, Samson teve finalmente a ajuda decisiva de uma casa de discos salvadora, a britânica Wichita Recordings, que se prepara para lançar "Paralanguage" no início de Dezembro. Registado em estúdio próprio de Bruxelas, nele colaboram alguns músicos da banda de S. Carey e Beatris De Klerc, a violinista de A Winged Victory For the Sullen, numa sonoridade que parece aportar a paz e a calma ao seu dia-a-dia e um sentido e misterioso tributo memorial ao seu pai e à natureza. Ficamos à espera de uma visita, naturalmente...     


ERLAND OYE, IL COMANDANTE!















Na passagem por Guimarães do ano passado Erland Oye fez-se acompanhar de um trio de amigos músicos da Sicília a que carinhosamente chamou La Comitiva. É com eles que tem andado em digressão a tocar canções antigas, é com eles que registou já alguns temas em italiano como "Estate" ou "Paradiso", uma perdição que tem agora imagens captadas nesse paraíso mediterrânico que lhe serve de refúgio e onde não faltaram, segundo o próprio, multas, polícia, correira e muita animação. Um verdadeiro comandante Erland! Quanto aos Kings of Convenience, continuamos a ver navios...





quarta-feira, 2 de outubro de 2019

UAUU #505

FAZ HOJE (15) ANOS #12





















DEVENDRA BANHART + KATE WALSH + ROBERT FISHER, Festival Para Gente Sentada, Cine-Teatro António Lamoso, Santa Maria da Feira, 2 de Outubro de 2004
. O Primeiro de Janeiro, fotografia de Cristina P. Pinto, 4 de Outubro de 2004, p. 23





terça-feira, 1 de outubro de 2019

JOHN GRANT JUNTA-SE AOS SENTADOS!





















Quem espera... Demorou tempo até se saber o alinhamento da edição deste ano do Festival Para Gente Sentada em Braga mas o cartaz que parece agora fechado é assinalável: sexta-feira, dia 15 de Novembro, teremos os Sensible Soccers e Jonathan Wilson em versão acústica e no dia seguinte, sábado, 16 de Novembro, aos brasileiros O Terno junta-se agora John Grant. Eia, eia!

CUP, VAI UMA XÍCARA?


















Da colaboração artística do casal Nels Cline, virtuoso guitarrista dos Wilco e Yuka C Honda, multi instrumentista dos saudosos Cibo Matto, resultou finalmente uma "Sipinning Creature" sob alçada de uns tais CUP. O álbum, cujo tema-título se dá agora a conhecer, foi registado em pouco mais de três dias por Brooklyn, sede da editora independente Northern Spy Records que o fará chegar às lojas no primeiro dia de Novembro, data de concerto único de lançamento. 

Podem discutir-se os géneros, as influências ou até as virtudes, mas o duo marido e mulher anda há anos a realizar experiências sonoras sem amarras de impregnação electrónica diluída com o folk e o rock e onde a improvisação é condimento obrigatório e, diríamos, essencial para a degustação. Podem-lhe ir tomando o gosto...