segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

PORTICO QUARTET DELUXE


















No mês de Março do ano passado o quarteto londrino de jazz Portico Quartet visitou o norte do país para dois extraordiários concertos em Braga e Espinho que serviram de apresentação do segundo álbum "Isla". Felizmente, estivemos presentes nos dois e sentimos já saudades de noites de música tão surprendentes e arrabatadoras. Entretanto, finda a intensa digressão, a banda assentou novamente sede em Londres para, com a ajuda do famoso produtor John Leckie, regravar o primeiro álbum lançado em 2007, trabalho que chegou na altura a receber uma nomeação para o Mercury Prize. Pois bem, o resultado deluxe está já disponível para aquisição e aos temas originalmente incluídos em "Knee-Depp In The North Sea" foram acrescentados mais vinte minutos ao vivo que provam a versatilidade e competência de Nick Mulvey e companhia. Depois de algum tempo em estúdio, a banda confessa-se agora ansiosa para voltar aos palcos e aproveita para vender um dos seus intrumentos característicos - um hang com preço base de 1500€... Nós por cá fazemos figas para que o regresso não tarde.  

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

PARÉM!













A catadupa de bandas confirmadas para os festivais de primavera/verão começa a irritar pela positiva. O Optimus Alive acaba de agarrar os Avi Buffalo (foto), mas por lá estarão, entre outros, os Foals, a Anna Calvi, os TV On The Radio, os Friendly Fires, já para não falar no Iggy Pop & Stooges, os Primal Scream e os Grinderman! O SBSR no Meco então é tiro e queda: Strokes, Arcade Fire, Portished, Arctic Monkeys, Beirut, El Guincho, ufa! Já para não falar na senhora Winehouse na Zambujeira. E ainda falta Paredes de Coura que por agora se remeteu a um silêncio estratégico...  

DOIS EM UM
























Eia, eia! Uma outra extensão de luxo do Primavera Sound de Barcelona acaba de ser confirmada: Sufjan Stevens toca com a sua banda nos Coliseus do Porto e Lisboa nos dias 30 e 31 de Maio, respectivamente. Na primeira parte estará nada mais nada menos que DM Stith, autor do fabuloso disco "Heavy Ghost" e companheiro de Stevens na editora Asthmatic Kitty. Os bilhetes para a plateia em pé (é melhor assim) estão já à venda. Rápido à bilheteira...

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

NOVAS DE Ms. ALELA DIANE BEVITORI















Um novo álbum de Alela Diane sai já em Abril pela Rough Trade a que se segue em Maio uma tournée europeia de apresentação ainda sem datas por perto. A artista está agora casada com Tom Bevitori, músico que a acompanha, tal como o pai, há já algum tempo ao vivo. O novo trabalho de originais, recebeu o nome de "Alela Diane & Wild Divine" e foi escrito a meias, na sua maioria, com o agora marido ao longo da digressão de 2009 que a trouxe a Famalicão para uma noite mágica. Posteriormente, os originais receberam a produção de Scott Litt, uma colaboação inédita na carreira de Diane que habitualmente assume essa tarefa. Sujeito a confirmação, aqui deixamos um dos novos temas pelo duo Bevitori...

POR TODAS AS RAZÕES, PARABÉNS RUC!










A RUC-Rádio Universitária de Coimbra comemora a bonita data de 25 anos e, por isso, é tempo de champanhe. As felicitações são ainda mais vigorosas já que para a festa decidiram convidar os muito cá de casa The Radio Dept. para se apresentarem ao vivo pela primeira vez no nosso país, o que vai acontecer já no próximo dia 4 de Março no Teatro Gil Vicente! Seria um alívio que os suecos não se esquecessem de tocar esta velhinha pérola...

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

BOM GOSTO



















Já não falta muito tempo (3 de Maio) para que "Helplessness Blues", o muito aguardado segundo álbum dos Fleet Foxes, veja a luz do dia. O tema título está já disponível para audição e donwload e a respectiva capa, que acima se reproduz, tem já desenho escolhido. A banda continua a demonstrar muita atenção a esta componente, tendo em conta que o disco de estreia ganhou o prémio de melhor "Best Art Vinyl" em 2008 com a reprodução de um pormenor de uma tela de 1559 atribuída ao pintor holandês Pieter Bruegel e que se encontra patente no Staaliche Museum de Berlim. O magnífica ilustração agora seleccionada é de enorme bom gosto e pertence a Toby Liebowitz, artista de Seatlle, cujo lindíssimo site merece bem uma visita. O desenho, originalmente a preto e branco, foi posteriormente pintado por Chris Alderson. Tal como a música, uma maravilha!

UM GUROSAN DO LABORATÓRIO DNTEL

Agora que os Radiohead se esqueceram das guitarras, agora que os discos dos Darkstar (que andaram por Lisboa neste fim-de-semana) e do James Blake rodam em loop, ainda estamos a tempo de ouvir como deve ser um disco esquecido no iPod desde o final de 2010. Trata-se do regresso aos originais de Jimmy Tamborello, metade dos saudosos Postal Service ao lado de Benn Gibbard e também conhecido por James Figurine ou, como é o caso, Dntel. O álbum, que resulta da publicação/junção de dois Ep's em vinil, tem o nome adequado de "After Parties" e saiu com o selo da Sub-Pop. São oito intrumentais produzidos a solo, sem vozes ou colaborações (relembramos que o anterior "Dum Luck" de 2007 tinha aparições de Grizzly Bear, Bright Eyes ou Rilo Kiley), que devem ouvir-se bem alto no rádio do carro num regresso tardio a casa depois dum qualquer exercício de levantamento de copos, mas a receita resulta também em dias de chuva a bater na janela ou em passeios marítimos empurrados a vento. Se a prescrição sonora não for suficiente para curar a "ressaca", deve então acrescentar-se mais dois estimulantes: "Black Sands", o disco quase ignorado de Bonobo também do ano passado e o já clássico "Isla" dos Portico Quartet. É infalível.





sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

É NOVO, É FANTÁSTICO, É RADIOHEAD!



+  info

UNE SURPRISE!


















Está já disponível em diversos formatos a banda sonora que os Sonic Youth registaram para o filme "Simon Werner A Disparu" ("Lights Out" em inglês) do realizador francês Fabrice Gobert. A película, que estreou em Cannes na secção "Un Certain Regard" em Maio de 2010, é um dramático thriller negro sobre a estranha morte de um jovem após uma festa bem regada a álcool, tendo a banda gravado previamente múltiplos temas que foram posteriormente encaixados nas diversas cenas. O filme saiu já em DVD em França e nele está incluído, em exclusivo, um CD com a banda sonora. Nos restantes mercados o álbum tem o selo SYR número 9, série onde Lee Ranaldo e companhia têm por hábito publicar algumas aventuras (ainda) mais experimentais.  

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

VANDERSLICE MAGIK



















Há muito que John Vanderslice nos desperta a atenção e não pára nunca de nos surpreender. O músico gravou agora um álbum com uma orquestra clássica chamada Magik* Magik Orkestra dirigida pela maestrina Minna Choi. O novo disco, com nove temas e de nome "White Wilderness", foi registado durante três dias em Berkeley na Califórnia com um colectivo de 19 músicos e foi produzido por John Congleton, conhecido pelas suas colaborações com Bill Callahan, The Walkmen ou St. Vincent. Aqui fica o preview. Promete!

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

M WARD NA INVICTA















O fantástico cartaz do Primavera Sound 2001 em Barcelona começa a espalhar-se, em antecipação, a ocidente! A primeira das extensões vai trazer até Lisboa (17 de Maio, Aula Magna) e ao Porto (Teatro Sá da Bandeira, 18) o californiano M Ward, um verdadeiro senhor da pop americana. Pena que Zooey Deschanel, que o acompanha desde 2006 no duo She & Him, também não tenha viagem marcada... M Ward, que já tocou com Norah Jones, Bright Eyes e tantos outros, fará a apresentação do disco de 2009 "Hold Time", álbum que tem no tema título um daqueles momentos de fazer parar o tempo.     

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

3X20 FEVEREIRO












20 Canções:
. TWIN SHADOW - I can't wait
. DESTROYER - Savage night at the opera
. THE DEARS - Stick w/ me kid
. THE DECEMBERISTS - Calamaty song
. BRIGHT EYES - One for you, one for me
. PJ HARVEY - The words that maketh murder
. CUT COPY - Where I'm going
. JAMES BLAKE - I never learnt to share
. FUJIYA & MIAYAGI - Spilt milk
. TENNIS - Seafarer
. THE GO! TEAM -  Ready to go steady
. GIGI - Won't Someone Tell Me?
. BROKEN SOCIAL SCENE - Forced to love
. VIOLENS - Full collision
. BAND OF HORSES - Dilly
. WE ARE TREES -  Dear Chan Marshall
. ATLAS SOUND - Terrarium
. BADLY DRAWN BOY - In safe hands
. EMILY JANE WHITE - Clipped wings
. OWEN PALLETT - Export 3 (The great elsewhere)

20 Versões:
. MINIATURE TIGERS - Mamma Mia (ABBA)
. OMD - VCR (The XX)
. THE FORMS - We didn't start a fire (Billy Joel)
. THE BLACK KEYS - She Said, She Said (Beatles)
. WOODEN SHJIPS - Drunk Girls (LCD Soundsystem)
. NEON INDIAN - Children of the Revolution (T. Rex)
. CHROMEO AND DARYL HALL - I can't go for that (Halll & Oates)
. JOHN VANDERSLICE - Karma Police (Radiohead)
. YEASAYER - Crazy (Seal)
. ATLAS SOUND - Walk a thin line (Fleetwood Mac)
. NORAH JONES - Love me tender (Elvis Presley)
. JAMES BLAKE - A Case of You (Joni Mitchell)
. SONDRE LERCHE - Lewis Takes Off His Shirt (Owen Pallett)
. THE UNTHANKS - At First She Starts (Lal Waterson)
. BENJAMIN FRANCIS LEFTWICH - Rebellion (Arcade Fire)
. GORILLAZ - Crystalised (the XX)
. MERCURY REV - Motion Pictures (Neil Young)
. PAUL WESTERBERG - Nowhere Man (Beatles)
. A GIRL CALLED EDDY - Julia (Beatles)
. GAYNGS - By Your Side (Sade)

20 Remixes:
. DAVID LYNCH - Good Day Today (Underworld Classic Remix)
. CHILLY GONZALES - You Can Dance (Fare Soldi Gonzobot Remix)
. PNAU - The Truth (Sam La More Remix)
. CUT COPY - Take Me Over (Midnight Magic Remix)
. GORILLAZ - Empire Ants (Miami Horror Remix)
. BLONDE REDHEAD - Here Sometimes (Pantha Du Prince Remix)
. ADELE - Rolling In The Deep (The Lost Boys Remix)
. JAMES BLAKE - I Never Learnt To Share (Nicholas Gadsden Da Capo Remix)
. TAME IMPALA - Why Won't You Make Up Your Mind? (Erol Alkan Rework)
. LOCAL NATIVES - Wide Eyes (Suckers Remix)
. THE DRUMS - Me and the moon (Matthew Dear remix)
. WHITE LIES - Is Love (Stereolab Remix)
. CUT COPY - Take Me Over (Midnight Magic Remix)
. FOALS - Blue Blood (Prince Club Remix)
. LYKKE LI - I Follow Rivers (Dave Sitek Remix)
. GYPSY & THE CAT - The Piper's Song (Aeroplane Tape Remix)
. SILVER COLUMNS - Brow Beaten (James Yuill Remix)
. TORO Y MOI - Still Sound (Fiero Remix)
. YEASAYER - I Remember (Painted Palms Remix)
. HERCULES & LOVE AFFAIR - My house (Leo Zep Remix)

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

STRANDED HORSE, Passos Manuel, 12 de Fevereiro de 2011


Existe hoje sobre o Porto uma certa aura emproada de cidade onde tudo acontece. A intensa movida nocturna em torno da baixa, as centenas de alunos de Erasmus, os novos hotéis, o metro, as culinárias alternativas ou até a um projecto como a Time Out Porto, não conseguem, no entanto, esconder algumas lacunas antigas, principalmente as que se referem à adesão do público ao teatro ou à música dita alternativa. O concerto de Yann Tambour, conhecido por Stranded Horse, do passado sábado é um desses exemplos. Sem querermos apontar culpados, torna-se maçador perceber o porquê de tão pouco interesse do público portuense em aderir a um espectáculo acessível (6€) e de enorme qualidade. Eram menos de vinte os que decidiram e bem não perder tamanha oportunidade de, ao vivo, comprovarem alguma da fama deste francês com influências diversas, do folk inglês à chanson française, passando pela música africana. Para isso, Yann serve-se, estranhamente, de uma kora (ou duas, como é o caso) e uma guitarra acústica, instrumentos que chegou a tocar simultaneamente (!) logo no início do recital. Entre golos de whisky, o simpático artista não se importou nada com a plateia reduzida e apresentou de fio a pavio o seu último álbum "Humbling Tides", um espelho brilhante das referida influências e que levam a comparações com Nick Drake ou Jeff Buckley. Gostamos particularmente dos sussurantes francófonos "Le Bleu et L'Ether" e "Les Axes Deregles" acompanhados pela inebriante som da kora e da versão de "What Difference Does it Make" dos Smiths à guitarra acústica, momentos que o fantástico som da sala fez o favor de tornar inesquecíveis. Um hora de puro prazer sonoro que o Porto ou outra qualquer cidade não deve e não pode desprezar.  

TALVEZ UM DIA...



















Temos por Rufus Wainwright um enorme respeito como artista e compositor. Contudo, sempre nos surpreendeu o pouco cuidado ou gosto que as capas dos seus discos evidenciam, facto comprovado no design do seu último álbum  "All Days Are Nights: Songs For Lulu", capa eleita com uma das piores do ano por diversas publicações. Mesmo assim e usando, entre outros, o mesmo motivo - um olho contornado a preto -, surge agora no mercado um livro de fotografias da série "One Day in The Life..." da responsabilidade do fotógrafo Tim Hailand, cuja capa continua a evidenciar um barroquismo incompreensível, um cartão de visita fora de moda que, não cremos acreditar, seja propositado. Dá vontade de comprar o livro? Claro que não!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

FAROL #90










Temos pelos Avi Buffalo uma enorme sedução. O melhor disco de 2010 está pleno de canções perfeitas e, sendo assim, é natural a procura de mais algumas. Na página da banda no last.fm há, pelo menos, mais meia dúzia à disposição dos interessados: um Tour EP, algumas demos, um inédito e ainda canções do próprio álbum, tudo completamente legal e gratuito. Imperdível.   

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

COM MUITO SALERO


















Já por lá passou a Joanna Newsom, mas a edição nove do clássico Festival Sinsal galego tem outros nomes confirmados, tal como fomos, alías, dando conhecimento: Mark Kozelek, Dodos, José Gonzales, Jonny ou Laetitia Sadier. Perto e bom caminho...
A organização Sinsal, inicialmente uma loja de discos que se estendeu rapidamente à promoção de concertos e bandas, tem também dado particular atenção à promoção de novos formatos sonoros e à preservação de sons em vias de extinção, como é o caso da publicação de um "dedodisco". Não sabem o que é? Descubram-no por aqui

FINALMENTE!


















Novo / velho single dos Strokes. A receita é sempre a mesma...

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

A TOQUE DE CAIXA














Vivemos hoje tempos de redescoberta e valorização do sempre eterno vinil. Em formato LP ou Single, os discos pretos são cada vez mais disputados e procurados, quer em edições originais de época, quer em reedições cuidadas a pensar em todos os (novos) aficionados. Quanto aos pequenos 45RPM, há agora um nítido renascimento e aproveitamento por parte das editoras, com a comercialização de caixas de singles de novas (p.ex. Franz Ferdinand, Sharon Jones & Dap Kings) e velhas bandas ou artistas (p.ex. Velvet Undergroud, Morrissey) a preços quase sempre proibitivos, o que não impede o seu escoamento. 
Posto isto, não entendemos o porquê de uma nova caixa de 45 cd-singles (!!!) dos Rolling Stones programada para Abril, onde cabem, obviamente, um conjunto de extras e guloseimas, mas que, no nosso entender, deveria respeitar o original em vinil e não, como é anunciado, imitando esse formato! Saía muito caro? Certamente, mas a diferença seria reconfortante. 
Curioso que para o Record Store Day de 16 de Abril, a editora tenha decidido lançar, separadamente, um 7" em vinil de "Brown Sugar"... Ora bolas!

DARK DARK DARK COM OS NATIONAL















Aos concertos dos The National em Portugal no próximo mês de Maio foi acrescentada uma mais valia - a primeira parte a cargo dos excelentes Dark Dark Dark! A banda de Minneapolis liderada por Nona Marie Invie, senhora de uma voz cristalina, vem apresentar o segundo álbum de originais "Wild Go", onde é difícil escolher o tema mais bonito. Esta parceria com os National é exclusiva a território português (Coliseu do Porto, 23 de Maio e Campo Pequeno, 24 de Maio).
 

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

SEXO, DROGAS E ROCK & ROLL LIGHT


















Entre 2002 e 2006, Stuart Murdoch, o líder dos escoceses Belle And Sebastian, escreveu no blog da banda e nos seus próprios diários um conjunto de pensamentos, opiniões e desabafos sobre o processo criativo, os concertos e sua vida privada. A atenta editora inglesa Pomona lançou-lhe, então, o desafio de recolher em livro essas anotações e o resultado é "The Celestial Café", disponível desde final do ano passado por encomenda online, mas com edição oficial marcada para o dia 22 do corrente mês. Nele, o carismático vocalista e compositor descreve, entre outros, o nascer do disco de 2004 "Dear Catastrophe Waitress", a sua colaboração humanitária com a ONU ou a Red Hot Organization ou descuidos sobre drogas, sexo e alguma libertinagem! Para os mais curiosos, pormenores e outras explicações podem ser lidas numa entrevista editada a semana passada na Drowned In Sound.     

A DAR ASAS!


















Mesmo com os acrobáticos aviões da Red Bull definitivamente longe da Invicta, a marca volta à cidade em grande a partir de hoje com a realização da Red Bull Music Academy Porto Hub. Quatro dias de eventos que palpitam música com sede na Rua Cândido dos Reis, mas que se espalham à noite por alguns dos já famosos locais nocturnos portuenses como o Passos Manuel, Indústria, Plano B ou o Gare. Paralelamente, decorrem conferências, exposições ou perfomances, sempre acompanhados por dois meios de comunicação quase em desuso: uma rádio de nome Oblá FM sintonizável em 102.1FM e um jornal gratuito intitulado O Conspirador, um exemplo maior de bom gosto e grande design e cujo nº1 nos surpreendeu pela positiva (destaque para as entrevistas muito portuenses a Alex FM e Eurico Cebolo). Queremos mais (o nº 2 e 3 e...)!

WANTED!
















Foi com este simples cartaz a lembrar o velho Oeste americano que Bill Callahan anunciou o seu novo álbum de originais. Sairá pela Drag City a 19 de Abril próximo e, para além do título ("Apocaplypse"), não são conhecidos mais pormenores. Trata-se do sucessor do magnífico e já clássico "Sometimes I Wich We Were an Eagle", álbum escolhido por estas bandas como o melhor de 2009 e considerado por alguns como um dos melhores da década.
Entretanto, o artista tem dedicado parte do seu tempo à leitura ao vivo de páginas seleccionadas do seu primeiro livro "Letters to Emma Bowlcut", uma compilação ficcional de cartas enviadas a uma mulher, disponibilidade que tem surpreendido a própria editora.