sexta-feira, 11 de maio de 2007


DEÊM-LHE UMA MEDALHA!
Ontem, como por acaso e magia, recuamos no tempo! A voz rouca é inconfundível e foi impossível desligar... O António Sérgio anunciava um novo tema dos Fratellis e outros se seguiram. O seu programa na Rádio Comercial entre a 0.00h e as 3.00h chama-se As Horas de António Sérgio e a intenção continua a ser a mesma: a divulgação dos novos sons, das novas bandas, das que interessam, com as rúbricas habituais como a Lista Negra, o Santuário ou o Debaixo da Língua. O programa voltou à casa mãe em 2006 depois de andar perdido desde 1997, ano em que encerrou a XFM, com o nome de “Hora do Lobo” pela mesma rádio e, mais recentemente, pela Best-Fm!!
Somos fãs desde há muito (1983/84), em que “Som da Frente” queria dizer um estilo de música, da pop à vanguarda chamada independente. Era esse o nome que escrevíamos nas cassetes gravadas, porque muitas das nossas escolhas eram directamente influenciadas pela audição do programa. Dos Joy Divsion aos Aztec Camera, dos Go-Betweens aos Killing Joke, as bandas tornaram-se inesquecíveis e quase imortais. Em 2002, na comemoração dos 20 anos do programa, saiu uma edição dupla em cd que recorda um pouco todo este ambiente e em 2005 um outro disco faz um apanhado até 1993. De madrugada ou nas tardes da Comercial até esse ano, fomos ouvintes fieis e devotos. Recordamos com saudade a correria para casa depois das aulas para ainda ouvir algum excerto ou gravar a “tal” música que nos faltava. Em tempos de poucas importações musicais, de preços exorbitantes dos vinis era na gravação directa dos temas radiofónicos que actualização possível era feita. Sabemos de alguém que tem dezenas destas gravações! Lembramos o dia do Live Aid em 1985 quando os U2 entraram em palco e o António Sérgio, a fazer os comentários na RTP, nos pediu para nos ajoelharmos... Temos a cassete lá em casa com o último programa "Som da Frente", como prova de resistência e devoção e pode ser que algum dia ela apareça em versão digital por aqui! Agora que o 10 de Junho se aproxima, que as condecorações como que florescem, estava na altura de lhe darem uma medalha... Qualquer uma, porque a insígnia da História, já ninguém a pode tirar. Se existem heróis influentes, cuja marca tem aquele cunho de mestre, este é um deles. Na nossa e na de milhares de vidas lusitanas. Long live António Sérgio e obrigado.

4 comentários:

Hug The DJ disse...

Não esquecer o outro prato da balança, à tarde tinhamos o Adelino Gonçalves com a "Discoteca".
A quantidade de cassetes gastas com estes dois "highlites" diários, dava cabo do orçamento a qualquer um...:)

Z

Anónimo disse...

O Sérgio foi importante mas convêm também reconhecer a importância de outras coisas muito boas como o "Dois Pontos" do Humberto Boto; Os "Musonautas" do Lima Barreto; o Anibal Cabrita; o Rui Neves ou o Rui Morrison, entre outros, como o referido Adelino Gonçalves.

Tudo gente que contribui decisivamente para mudar o gosto de alguns Portugueses no que diz respeito à boa musica.

Mas continua por aí a haver boa rádio (Saló; Hydalgo; F. Cabrita; Esteves, Somsen, etc. Juntem-nos todos numa única estação que depressa se esqueceriam desses tempos).

Jose Miguel Neves disse...

Imensas saudades do Rui Morrison! Mesmo muitas! A boa rádio que supostamente existe não chega infelizmente ao Porto! Essa era uma boa ideia - juntem-se todos outra vez tipo XFM...

Anónimo disse...

Eu quero uma cópia dessa cassete, tem SPK não é??
Como posso entrar em contacto??
Ou disponibiliza na net e deixa link. Thanks! Take Care