segunda-feira, 12 de julho de 2010

DEVENDRA BANHART + JEFF TWEEDY + THE XX + FANFARLO..., Vigo Transforma, Vigo, 9 de Julho de 2010


Quis o destino que o primeiro dia do Festival Vigo Transforma reunisse um alinhamento imperdível aliado a uma atractiva relação preço-qualidade. Vinte e cinco euros por oito bandas/artistas é o que se chama, hoje em dia, um achado. Dois palcos, frente a frente, funcionaram como meta dum vai e vem incessante, mas calmo, pelos melhores lugares, sem intervalos ou tempo para filas de reabastecimento, numa maratona sonora vibrante, apesar de alguns altos e baixos.
Começaram os espanhóis Triangulo de Amor Bizarro, banda a que não demos particular atenção pois, nessa altura, ainda medíamos o recinto soalheiro e traçávamos estratégias de localização. Mesmo ao longe, o som a la My Bloody Valentine não desmereceu as fontes originais.
À medida que o público ia engrossando, decidimos apostar na frente do palco oposto (Escenario Xacobeo) onde
Devendra Banhart faria, logo depois, a sua aparição. Envergando um t-shirt dos Modest Mouse, cedo se percebeu que festa era coisa que não ia faltar. Pondo de lado o seu reportório mais calmo e pastoral, Banhart e companhia trataram de semear a boa disposição, recorrendo aos refrescantes "Baby", "Can't Help But Smiling", "Goin' Back" ou "Rats" do último "What Will We Be", mas houve também sorvetes mais antigos como "Shabop Shalom" e o funktástico "Lover" do álbum "Smokey Rolls Down Thunder Canyon" ou, ainda, "Long haired child" de "Cripple Crow". Após "16th & Valencia Roxy Music", Banhart contou a história duma viagem de infância com os pais nos idos anos oitenta quando ouviu pela primeira vez no rádio do carro o tema "Tell it to my heart" de Taylor Dane e vomitou! A versão que se seguiu (video abaixo), pôs toda a gente a cantar e a dançar ao jeito de guilty pleasure colectivo, num momento inesquecível a que só faltou, logo a seguir, o clássico "I Feel Just Like a Child", naquilo que seria a sequência lógica dessas memórias... Já no final, tempo para "Carmencita", tema insistentemente pedido por alguns dos presentes e que culminou, convenientemente, uma hora de verdadeiro concerto veraneante e bastante saboroso. (videos Hugthedj)


http://vimeo.com/13235846 from hug the dj on Vimeo.


http://vimeo.com/13237443 from hug the dj on Vimeo.


Sozinho em palco (Escenario Heineken), rodeado por seis guitarras acústicas, Jeff Tweedy sabia ao que vinha. Público conhecedor e respeitador ou não fossem os Wilco uma verdadeira instituição por terras espanholas. De frente para o sol radioso e cabelo ao vento, Tweedy ofereceu a todos um iluminado espectáculo ao jeito de best of com direito até a músicas novas. Ao fim de meia hora, já se tinham ouvido "Sunken Treasure", com que abriu, "One Wing", "Please be patiente with my heart", "Hummingbird" ou "You and I", numa mistura primorosa de canções antigas e recentes. Estreou "You're not alone", tema título do novo disco, por ele produzido, da soul legend Mavis Staples e encantou ainda mais com a pérola "Jesus, etc" e uma curta interpretação de "Impossible Germany". Para o fim guardou "Heavy Metal Drummer" entoado por todos e "Ghost is Born", atirando-se ainda, corajosamente, a um "I'm the man who loves you" de arrepiar. Numa palavra, mágico. (videos Hugthedj)


http://vimeo.com/13238481 from hug the dj on Vimeo.


http://vimeo.com/13239176 from hug the dj on Vimeo.


Os XX foram, obviamente, os principais responsáveis pela enchente do recinto. Fenómeno juvenil, mas não só, um pouco por todo o lado, notava-se o frenesim histérico de muitas e muitos prontinhos a cantar o disco de ponta a ponta. Há, no entanto, alguma coisa ao vivo que não resulta. Talvez o minimalismo de muitos dos temas impeça alguma improvisação, o que deixa o trio preso a uma pauta redutora, ou talvez, como nos parece, a banda ainda não alcançou um patamar técnico dominante que lhe permita outros voos. A postura foi, contudo, recatada e notou-se a preocupação em reproduzir, sem falhas, o álbum de consagração. Nesse particular, os quarenta minutos do concerto foram um êxito previsível com assinalável vibração durante "VCR" e "Basic Space", mas pairou a sensação deste ser mais um dos inúmeros e idênticos concertos que a banda tem realizado no último ano. Sem surpresas, cumpriram-se os serviços mínimos.



http://vimeo.com/13252118 from hug the dj on Vimeo.


Surpreendentes foram os Fanfarlo. O disco "Reservoir", editado o ano passado, é uma colectânea de canções saídas da inspiração de Simon Balthazar, um sueco residente em Londres, que apostou no indie-folk. A receita, que transpira Arcade Fire ou Beirut por todo o lado, é no entanto irresistível. Usando um trompete, violino ou clarinete, o colectivo cedo arrecadou a atenção dum público que conhecia muitas das canções. Exemplos dessa simbiose foram "Fire escape", "Drowning Man" ou "The walls are coming down" que agitaram, e de que maneira, a plateia e que logo foram transformadas em hinos colectivos. Pela simpatia e entrega, mas principalmente pela qualidade evidenciada, os Fanfarlo arriscam um crescimento precoce sustentado e que um qualquer palco de festival português deveria, rapidamente, comprovar.

http://vimeo.com/13254032 from hug the dj on Vimeo.

Depois de quatro horas em pé, seguiu-se um intervalo merecido para a cerveja desejada e um perrito deslavado, embora o festival não tivesse parado. Os Love of Lesbian, um fenómeno tipicamente espanhol que concentrou a atenção da larga plateia em delírio, serviram de musak para, junto do palco oposto, se retemperaram forças e perceber que o nível dos concertos já passados muito dificilmente seria batido.
Os Mutantes, ou o que resta deles, ainda prometeram algum frenesim quando logo ao terceiro tema largaram a "Minha Menina", mas a restante perfomance, apesar de enxuta, não convenceu. Palmas, no entanto, para a coragem.

Quanto aos Miike Snow, a irritante postura e, já agora, o tom de voz do vocalista, cedo nos fizeram desistir dum electropop sensaborão que outros projectos semelhantes conseguem com melhores resultados (Passion Pit. p.ex.).
Resultado final: um dia de alguns desequilíbrios sonoros, mas que as actuações memoráveis e consistentes de Devendra e Tweedy permitiram transformar em ganhos de mais valias.

4 comentários:

Anónimo disse...

por favor si puedes sube el concierto entero de devendra ,y si es posible a megaupload
gracias por lo que ya subiste

JMiguel Neves disse...

O concerto de Devendra não está totalmente filmado... Podem no entanto surgir mais alguns clips em
http://vimeo.com/user2357488
Gracias.

Anónimo disse...

aqui hay un video mais de devendra
a cancion e baby
http://www.rtve.es/mediateca/videos/20100710/vigo-transforma-2010-devendra-banhart/825653.shtml

si conseguides algun mais avisademe
gracias

Anónimo disse...

poderias poñer o setlist de devendra no seu orden?? estou a pasalo a mp3 e queria telo ordeado