quinta-feira, 20 de outubro de 2011

JOHN GRANT, Auditório de Espinho, 19 de Outubro de 2011


















Não seria difícil de prever que a estreia de Grant em Portugal fosse um grande momento. O disco do ano passado "Queen of Denmark" está repleto de clássicos instantâneos, canções intemporais de intensidade marcante já nitidamente absorvidas/amadas pela plateia expectante que enchia o simpático espaço de Espinho. Acompanhado por um teclista, Grant esteve irrepreensível. Voz magnífica, simpatia quanto baste, som de sala à altura e, claro, as canções que todos queríamos ouvir, que, mesmo sem os arranjos que os Midlake ajudaram a construir para o álbum, surgiram em toda a sua plenitude e grandeza. Escolher a melhor é sacrilégio, porque a qualidade esteve sempre bem alta, mas a sequência ao piano que se iniciou com "Sigourney Weaver", passando por "TC And Honeybear" e "Firefly" até "Queen of Denmark" é memorável. A penumbra da sala, a iluminação residual e as histórias de infância ou de desamor contadas por um Grant bem disposto, ajudaram ainda mais a que os íntimos noventa minutos do espectáculo fluíssem sem quase darmos conta. Um concerto certeiro, de uma leveza aparentemente fácil, mas só ao alcance de um talentoso artista deste calibre. Prometeu regressar com canções novas, algumas já escritas e apresentadas em primeira-mão e nós não teremos outro remédio que comparecer obrigatoriamente. Pelo andar da carruagem, apostamos que, nessa altura, as salas do Coliseu ou da Casa da Música já serão pequenas...   





1 comentário:

mojorising disse...

Gostei muito da critica ao concerto...tb lá estive!
http://themojorising.blogspot.com